domingo, 29 de julho de 2018

15 - NA PALAVRA É QUE VOU... * Na Linha Ferroviária do Sul


FANTASMAS DA MEMÓRIA
.
NA LINHA FERROVIÁRIA DO SUL

Ponte ferroviária sobre o Rio Xarrama
(Foto Internet, com a devida vénia)


1.
Todas as semanas fazia aquelas viagens nocturnas: sexta-feira à noite para baixo; domingo à noite para cima. Ia e vinha no então chamado comboio-correio. Sem pressas, este comboio parava em todas as estações e apeadeiros. Era reduzido o movimento de passageiros subindo e descendo, mas era um tanto agitado o movimento de mercadorias. Eu sempre estava atento  quando, no sentido descendente,  chegava à estação de Casa Branca: aí era a corneta anunciando a partida iminente do comboio e logo após o aviso gritado ---  partida para o Algarve! Toda a gente, respeitando a orientação Norte-Sul, dizia vou para cima ou para baixo.
Nas noites de luar, quando em sentido descendente, eu ficava olhando o exterior, logo à saída da Estação Ferroviária de Casa Branca. Sentia um fascínio muito grande pela ribeira de Papa Galos e pelo rio Xarrama. Daí o meu persistente desejo de ver e rever as suas águas quando o comboio os cruzava. A ribeira de Papa Galos, cujo curso vai de Ocidente para Oriente, é afluente do rio Dgebe e este é afluente do  Odiana, o meu muito amado Odiana, rio mítico onde mais tarde seria construída uma barragem que é ou será o maior lago artificial da Europa --- a Barragem de Alqueva. A Barragem de Alqueva é uma das esperanças de uma significativa área do Alentejo devido à irrigação que pode proporcionar. O Xarrama corre de Nordeste para Ocidente e é afluente do Sado, rio inteiramente transtagano, que vem da Serra da Vigia, a Sul, e faz o seu trajecto para Norte até mergulhar no Oceano na nossa perdida Setúbal. E digo nossa perdida Setúbal como cidadão transtagano. Esta linda cidade marítima foi extorquida ao Alentejo, vá lá o Diabo saber o porquê, mistério insolúvel / aberração instalada que parece ninguém incomodar, da lavra de iluminado(s) que não sei identificar --- ah, as coisas que eu não sei! --- até porque Setúbal continua capital de um distrito que inclui vários municípios transtaganos.
No sentido ascendente, quando regressava a Lisboa, sentia o mesmo fascínio pelas águas. Quando comboio partia da estação de Viana, ficava esperando pelo Xarrama. Tantas saudades daquelas águas, nas quais ensaiei as primeiras braçadas da minha incipiente condição de nadador e alimentei o meu sonho irrealizado de marinheiro!  Logo a seguir à estação de Alcáçovas, lá estavam as águas da Papa Galos me esperando…

2.
Dizia-me um amigo e primo já falecido: oh, parente, tu tens uma situação mal resolvida com o Guadiana e tanto assim que insistes em chamar-lhe Odiana.
Eu olhava-o, sorrindo. Quando ele nasceu, eu tinha quase dez anos. Andei com ele ao colo. Ele sabia o muito carinho que eu tinha por ele. E pacientemente eu lhe respondia sempre o mesmo: parente, tu sabes que eu tenho uma predilecção por Espanha. Tanto assim é que, em Espanha, eu nunca me senti estrangeiro, apenas sinto estar numa terra vizinha da minha. Afinal, para cá dos Pirenéus, nós somos todos Iberos ou Hispanos e muitos outros de nós ainda sefarditas e/ou andalusis,  mas eu não gosto nada de imposições e submissões. Em Portugal temos várias palavras com a mesma raiz: Odiana, Odeleite, Odemira, Odivelas, etc. E diz quem sabe dessas coisas da etimologia que a palavra árabe Uad (curso de água) entrou no português como Ode e no castelhano entrou como Guad. Em rigor, o português Odiana ou o castelhano Guadiana significa Rio Ana.  E também sabemos que a palavra castelhana Guadiana entrou (à força?) no idioma português depois de 1580, data em que perdemos a independência. Ora, eu até posso entender que durante os sessenta anos de soberania espanhola tivesse ocorrido esse desmando, mas já não entendo o porquê desse desmando de soberania espanhola prosseguir e se enraizar desde que recuperámos a independência nacional, em 1640. Passaram centenas de anos e continuamos assumindo uma palavra estranha e simultaneamente desprezando e relegando para o arquivo dos arcaísmos a nossa muito nossa palavra Odiana.

3
Os anos passaram. Agora, definitivamente nas pátrias terras transtaganas, mais só e chorando as perdas inerentes à nossa condição de existência efémera, perco-me e encontro-me nas recordações. Sei que sem memória nada somos, sei-o por experiência. Igualmente sei que muita gente vai considerar saudosista este texto e outros semelhantes. Não penso assim. Textos deste género apenas fixam no papel momentos de uma existência. Momentos merecedores de respeito, de compreensão e consideração, pela meridiana razão de que a vida merece respeito, a vida em si mesma. O que fazemos da vida ou o que fazemos na vida são patamares diferentes, estes passíveis de outras leituras, de outras interpretações, de outros juízos de valor.


José-Augusto de Carvalho
28 de Julgo de 2018.
Alentejo * Portugal


quinta-feira, 26 de julho de 2018

07 - REGISTO * O forasteiro


Diálogos de Café

*
O forasteiro


Entrou e sentou-se a uma mesa próxima da porta de entrada do Café. Discretamente, circunvagou o olhar, num reconhecimento rápido, e esperou ser atendido. O empregado aproximou-se e disse, como era de uso: faz favor de dizer. O homem olhou o empregado e pediu: um café e um copo de água, por favor.
Enquanto esperava, observou a rua quase sem movimento àquela hora. Eram quatro da tarde e o sol de Julho ainda ardia. Se o dia tem vinte e quatro horas, em rigor eram dezasseis horas. Não sei deveras por que dividimos o dia em manhã e tarde, mas dividimos e por isso mesmo dizemos quatro da manhã ou da madrugada e quatro da tarde. Ora pois, o Povo é quem faz a língua. O que mais importa é que esteja tudo certo e que nos entendamos.
Sentados a uma outra mesa, dois clientes comentavam a transferência de um futebolista: Dizem que o país vai mal, mas os clubes gastam milhões em contratações. E o mais estranho é que os doentes da clubite não reclamam por salários justos, mas consideram muito natural esta indecência.
Insulto, queres tu dizer, corrigiu o outro. E em contratações, em salários, em prémios…
Verdade, confirmou o primeiro. É só quando um braço de trabalho pede aumento de salário que o patrão e o ministro falam em crise e na tal concertação que nada concerta nem conserta nem harmoniza e só  provoca a divisão sindical, a tal divisão para reinar. E, no final de um arremedo de controvérsia, concluem sempre o mesmo: quando o mar bate na rocha, quem se lixa é o mexilhão.
Estavam de acordo. Difícil era não estarem. Esgotada a conversa ou por afazeres que os reclamassem, pagaram a despesa e saíram.
O empregado acercou-se e quis saber: o senhor está de passagem? Aos dias de semana é isto que vê, não há movimento.
O homem esboçou um sorriso e respondeu: Sim, estou de passagem. Há muito que não vinha aqui. E vejo que tudo está na mesma, poucas ou nenhumas mudanças. Está tudo muito parado e barco parado não faz viagem.
O empregado encolheu os ombros com desânimo e interrogou-se: antes era o que era e agora é o que é…  até há quem afirme que vamos ser um país de serviços, como se algum país conseguisse sobreviver sem agricultura, sem indústria, sem pescas e sei lá que mais!… É isto: antigamente ainda se fazia alguma coisa, agora compramos tudo feito… O senhor ouviu aqueles dois clientes que saíram agora? Eles falam e têm razão, mas não chega ter razão. E quando há jogos na cidade, fazem um sacrifício e lá vão eles ajudar  a alimentar o desaforo que aí vai! Mal vai a coisa quando a bota não dá com a perdigota, que é como diz criticam aceitando ou aceitam criticando. O senhor entende isto?
O homem esboçou um gesto vago e devolveu a pergunta: quem entende isto? Nem sei se é para entender, mas a realidade que temos é esta. Qualquer interrogação parte duma situação concreta. É um passo em frente uma pessoa questionar e questionar-se, mas se se ficar pela interrogação, isto é se não der o segundo passo que será o de transformar ou tentar transformar ou ajudar a transformar a situação questionada de que adianta questionar? Alguém escreveu, não me lembro do nome do autor desta frase: o povo parece um cão que ladra muito, mas morde pouco. E não se trata de um apelo à violência, se bem entendo o alcance da frase. Eu interpreto-a como um apelo à firmeza, a uma atitude de consciente cidadania. E isto porque um cidadão consciente conjuga o pensamento com a postura, porque só ambos se completam.
Deve ser como diz, sim, consentiu o empregado.
Levantando-se, o homem  despediu-se: Agora tenho de ir. Quanto devo? Tenha uma boa tarde.


José-Augusto de Carvalho
25 de Julho de 2018.
Alentejo * Portugal


quarta-feira, 25 de julho de 2018

05 - POEMÁRIO * Este fascínio do Sul!



(CLAVE DE SUL) 

Este fascínio do Sul! 






Ah, todas as manhãs, o sol do Meio-dia 

deslumbra o Céu azul! 

O ardente sol que canta e encanta a melodia 

do fascínio do Sul. 



E os versos da canção 

dolentes afagando a calma dos caminhos 

e o candor da emoção 

das aves, ao sol-pôr, buscando a paz dos ninhos… 



No enleio que me enlaça, 

pressinto o palpitar da perdida inocência, 

tão longe da ameaça 

ao direito de ser e de sobrevivência. 





José-Augusto de Carvalho 
23 de Julho de 2018. 
Alentejo * Portugal

sábado, 21 de julho de 2018

PLUTÃO ??????????????????????

                                                A VIAGEM

PLUTÃOOOOOOOOOOOOOOOO!




ATÉ JÁ!


abraços

Andrade da silva


VERGONHOSA IGNOMÍNIA





                                                
                                                   ( Foto da revista visão.)


Tem sido dito que a foto de Cavaco PIDE é uma montagem ,e é uma vergonha usar uma montagem.. Porque voltam outra vez ao assunto ?

O que há a nível documental é que teve informação favorável da PIDE para poder exercer funções no estado.de docente dizendo a PIDE que era um bom rapaz facto que consta no documentário, logo o BI de PIDE de Cavaco é abominável, ponto

Eventualmente usar ignominiosos meios como a PIDE é grave. Todos os funcionários públicos tinham de assinar uma declaração a dizerem que não professavam ideologias comunistas ou socialistas,

( E quanto à discriminação referida no documentário, pós 25 de Novembro estive preso na Trafaria, sendo comandante do Governo Militar de Lisboa o general Vasco Lourenço, fui sujeito a um regime discriminatório em relação aos outras capitães e oficiais presos.

Queixei-me ao General Vasco Lourenço e a resposta foi que antes do 25 de Abril o regime prisional era pior , porque tinha estado lá uns dias , só que estive cerca de 2 anos,onde, o coronel Correia ,genro de proprietário de herdades em Casebres, não ocupadas por força do heroísmo do feitor, dizia o coronel proto-fascista mentindo ,e. por isso, me chamava de Berda Merda e me torturava psicológica e fisicamente mantendo-me isolado 21h dia... coisas dos "gandes democatas", Tenho um diário da prisão, como da guerra)

Quando a foto do BI de Pide de Cavaco apareceu na altura da sua candidatura presidencial investiguei e as fontes sérias e isentas só confirmaram o que digo e o documentário, e que esta história foi parida por uma outra candidatara concorrente que não cito por não ter provas

 Mas há o BPN actual, ainda, o sr. Oliveira e Costa. Dias Loureiro etc andam por aí Porque se CALAM ????? 

andrade da silva

sexta-feira, 20 de julho de 2018

VITORIANDO HERÓIS DE PORTUGAL




                                                          Nas portas de Martim Moniz


AFONSO HENRIQUES

Grão Capitão MARTIM MONIZ






OS GRANDES E INVICTOS CAPITÃES:

NUNO ALVARES

INFANTE D.. HENRIQUE

VISCO DA GAMA

CAMÕES
GENERAL GOMES FREIRE
GUNGUNHANA


MACHADO SANTOS
2º TENENTE TITO MORAIS
OS SOLDADOS COMBATENTES DA I GUERRA MUNDIAL
SOUSA DIAS
HUMBERTO DELGADO
VASSALO E SILVA
OS COMBATENTES DA GUERRA COLONIAL 
DIAS COELHO
SALGUEIRO MAIA
FABIÃO
VASCO GONÇALVES
MIRANDA 
GUSMÃO NOGUEIRA 
ARTILIO BAPTISTA 
BRISSOS DE CARVALHO
JOSÉ AFONSO
MATOS BORGES
CARLOS MELLON
PINA
CRUZ OLIVEIRA 
COSTA MARTINS
QUEIROZ DE AZEVEDO 
CASQUINHA MÁRTIR NA REVOLUÇÃO AGRÁRIA
CARAVELA MÁRTIR NA DEVOLUÇÃO AGRÁRIA
VARELA GOMES
OS MILITARES DE ABRIL
O POVO:
OS MIMEIROS
OS PESCADORES
OS POLICIAS
OS TRABALHADORES AGRÍCOLAS E DAS FABRICAS
OS MAQUINISTAS
OS MÉDICOS E ENFERMEIROS DO SNS E OUTROS
OS BOMBEIROS
OS PROFESSORES
OS OPERÁRIOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E OBRAS PÚBLICAS
OS POETAS E TODOS OS ARTISTAS
OS QUE CANTAM OS NOSSOS FADOS
TODO O POVO QUE LUTA E RESISTE
SEM NUNCA ESQUECER:
SPARTACUS
LEÓNIDAS
SÓCRATES
GANDHI
LUTHER KING


UMA PÁTRIA SEM HERÓIS JAMAIS SERÁ PORTUGAL 

E COM "HEROES" SERÁ UMA ESTRUMEIRA.

Andrade da  Silva


quinta-feira, 19 de julho de 2018

05 - POEMÁRIO * O sonho que me sonha


DO MAR E DE NÓS-2

*
O sonho que me sonha 







Livre, navega o sonho que me sonha. 

O vento de feição --- icei as velas. 

Que o transe que me espera o Mar disponha 

de assombrações, de medos, de procelas… 



Que cantem as fatídicas sereias 

o fado que eu há muito sei de cor, 

o fado que eu herdei e em minhas veias 

palpita em dó menor, em dó maior. 



Meu fado que tens mastros e velames 

e um leme por desígnio e condição… 

Guitarra que por cordas tens cordames, 

por forma e por sentir meu coração! 


 
Que levas sob o céu e sobre as ondas 

as melodias que inventar o vento, 

as melodias com que insone sondas 

o lucilar do meu encantamento… 





José-Augusto de Carvalho 
19 de Julho de 2018. 
Alentejo * Portuga

quarta-feira, 18 de julho de 2018

05 - POEMÁRIO * O sonho de um Povo


(DO MAR E DE NÓS – 2) 
O sonho de um Povo 



Para o Comandante Serafim Pinheiro, 
Capitão de Abril, meu Amigo 





Depois dos Cabos, veio o mar aberto: 

os ventos e o mar-chão e as calmarias... 

O Sol ardia e tu também ardias 

no mar e céu do teu futuro incerto... 



Dos longes vinham a fragrância rara 

e os paladares raros do Levante… 

Ai, se eu não posso, que Camões te cante: 

"e se mais Mundo houvera, lá chegara"! 



Amaste o Mundo além a que te davas… 

Um Mundo sem fronteiras reclamaste… 

E em cada caravela regressaste 

saudoso desse mundo que deixavas. 



De ti herdámos ser filhos do Mar 

e o sonho que porfia em nos sonhar… 







José-Augusto de Carvalho 
17 de Julgo de 2018. 
Alentejo `Portugal

terça-feira, 17 de julho de 2018

JOÃO SEMEDO ATÉ JÁ!

UM HOMEM BOM!
O que mais conta na vida humana é ser HUMANO GENEROSO E BOM.o resto....
Com ele e por razões que bem conhecerá, contra todos os Opus Dei, defendo a morte medicamente assistida, POR  ESCOLHA VOLUNTÁRIA E CONSCIENTE.
João aquele abraço de concidadão a outro grande concidadão
Uma lágrima
andrade da silva tenente do 25 de Abril 74

JN.PT
O antigo coordenador do Bloco de Esquerda João Semedo morreu esta terça-feira, vítima de cancro, aos 67 anos.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

TRUMP É OS AMERICANOS ,COMO MARCELO SOMOS NÓS





Diz o meu camarada  Luz:



",,,,

Pode-se e deve-se criticar Trump por ser um troglodita nazi-fascista, por ser um burgesso inculto, ignorante, vaidoso, bronco e muito, muito mais.
Mas ninguém o pode acusar de ser um político desonesto ou mentiroso. Como qualquer político desta "nova ordem" da "ética política capitalista", mente todos os dias e a todas as horas, mas fá-lo sempre tendo como alvo atingir os seus objectivos políticos e cumprir o programa que os seus eleitores sufragaram. ..."

TODAVIA PENSO EU DE QUE:

Trump não é mesmo nada destes adjectivos avulso Trump é os AMERICANOS  como Salazar , Mário Soares, Cavaco, Marcelo foram ou são nós,e nós somos eles ELES SÃO OS PORTUGUESES.

Mas Trump envergonha ,humilha esses "reises", rainhas e trutas da Europa e de Portugal .

Esquece a "gande" gentinha do burgo que acima deles há Merkel, sempre Trump, Cristiano Ronaldo e acima deles todos o Papa, este não, mas o João Paulo segundo e acima de todos a abobada celeste, e para além desta DEUS OU DEUSES. Eles safam-se em vida, depois serão PÓ, e ponto

Trump foi eleito pelo americanos é os  AMERICANOS, como Marcelo, que esteve tão bem na foto com ele, é os PORTUGUESES, e mais, como todos sabemos, quem pode chamar nazis, ladrões etc a este ou aquele, ou passar uns ladrões, ou "farinhosos" a gente honesta não é um qualquer concidadão - maldito seria.logo,e muito menos nós militares do 25 de Abril. Em Portugal só uns o podem e todos sabem quem, os demais concidadãos são conjunturais, como aprende-se nas "teses de mestrado e doutoramento das universidades" , e, agora, digo. como hiper observador destas gentinhas, que estou pronto a fazer um tese de Doutoramento viva sobre o desmoronamento da politica ,da moralidade e da decência em Portugal pós o dia 26/27 de Abril 74..

Um grande abraço de um derrotado pelos "GANDES HERÒES de PORTUGAL dos 25 de Novembro 75 (plural
andrade da silva


PS::
 e, pois claro ,Portugal tem um português mui simpático para a Trump. ( sabem quem')e, assim, não levaremos com uma BH na corneta.. coisas da afectividade melosa...
Ah ainda vai haver um dia internacional para as trump.s


domingo, 15 de julho de 2018

05 - POEMÁRIO * Os nossos Cabos


DO MAR E DE NÓS-2
.

OS NOSSOS CABOS




À memória de Gil Eanes




Há sempre mais um cabo por dobrar...

Dobrado o Cabo Não, o Bojador

ergueu-se hostil e um trágico rumor

desceu, num pesadelo, sobre o mar.



O Gil tomou o leme e sem tremer

levou a caravela e um Povo todo

além do medo, além do sal e iodo,

até ao longe por amanhecer!...



E o dia por haver amanheceu,

lavado p'la procela que bramia,

cantado p'lo velame que gemia,

ousado porque ao medo não cedeu!...



De cabo em cabo, foi a ousadia

de ir mais além do sonho e da utopia...





José-Augusto de Carvalho
15 de Julho de 2018.
Alentejo * Portugal,
*
(O navegador Gil Eanes, natural de Lagos (?), cidade da Província do Algarve, comandou a caravela que dobrou o então temido Cabo Bojador em 1434.)

sábado, 14 de julho de 2018

5 - POEMÁRIO * Exortação


O MEU RIMANCEIRO
Exortação 




Há um tempo cumprido. 

Há um tempo a cumprir. 

Um minuto perdido 

é andar e não ir. 



A boca que consente 

o grito sufocado 

decide no presente 

um futuro adiado. 



A inércia não existe. 

Perpétuo, o movimento 

definido persiste 

ser acção, ser alento. 



Quem perder a coragem, 

sujeito à rendição, 

não irá de viagem 

dobrar o Cabo Não... 




José-Augusto de Carvalho 
Alentejo - Portugal

sexta-feira, 13 de julho de 2018

05 - POEMÁRIO * Quase uma oração

NA ESTRADA DE DAMASCO Quase uma oração


Quase uma ora


Eu pago a água que é uma dádiva do Céu 

Eu pago a energia que é uma dádiva da água 

que é uma dádiva do vento 

Eu pago o pão que é uma dádiva da Terra 

que é um dádiva de quem trabalha a Terra 

Senhor que és omnipresente e não me vês… 

Senhor que és omnisciente e deixas-me perdido nos meus porquês… 

Senhor, eu sei que sou o barro que amassaste 

naquele dia antigo que perdura ainda nos escombros caóticos da memória 

Tu sabes que também do mesmo barro que amassaste 

eu fiz tijolos e ergui casas… 

E outros meus irmãos ergueram muros e cárceres que perduram… 

Senhor, o velho bezerro de ouro do Sinai 

é um velho sempre em novas transfigurações e perversões 

Senhor, a tua obra está datada 

e o tempo sempre noutros tempos reinventado degenerou 

Senhor, talvez tenha morrido o sonho que sonhaste 

Talvez, num outro tempo, 

no tempo de hoje, 

eu tenha de amassar um outro barro 

e inventar um sonho novo… 






José-Augusto de Carvalho 
Alentejo, 11 de Julho de 2018.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

O AMIGO AUSENTE

                                              Com o José de Carvalho em Estremoz.

O nosso grande amigo  José Carvalho e poeta da terra Transtagana tem estado ausente por motivos de saúde que regresse forte e são como um Sobreiro.


                                         Sobreiro secular -tudo tem vencido no Escoural



Abraço

andrade da silva

                               O POETA


SEXTA-FEIRA, 30 DE MARÇO DE 2018


05 - POEMÁRIO * Ecce Homo, sempre!






(TEMPO DE SORTILÉGIO) 
Ecce Homo, sempre! 



Desfeitas as entranhas, sangue e pus,
o que restou de mim, aos pés da cruz!

Os fariseus não brincam em serviço!
Famélicos, em bárbaro delírio,
fizeram dos meus restos um feitiço,
quiseram-me a sofrer mais um martírio...

E se morri, o tempo não passou!
De mim, persiste ainda a luz que sonha...
Mãos dadas com o fel que me imolou
nas aras da ignomínia e da vergonha...

O tempo exalça ainda a impunidade
e é débil toda a voz que dá o alarme!
Se em mim persiste o grito da verdade...
...também a ira de crucificar-me!


José-Augusto de Carvalho 
Alentejo, Páscoa de 2002.



https://liberdadeecidadania.blogspot.com/2018/03/05-poemario-ecce-homo-sempre.html

GRITO PELAS CRIANÇAS VITIMAS!


CRIANÇAS ABANDONADAS NO MUNDO SÃO TANTAS E A INDIFERENÇA É QUASE TOTAL.

SÃO VITIMAS DAS GUERRAS, DA FOME, DAS DOENÇAS, DO TRÁFEGO, DAS VIOLAÇÕES..... MORREM.......


PORQUE FALHA, NESTES CASOS, A HUMANIDADE, A ONU; A COMUNICAÇÃO SOCIAL, O NOSSO GOVERNO, A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA, OS NOSSOS PARTIDOS,  A COOPERAÇÃO MUNDIAL e NÓS.
PORQUE FALHAMOS TODOS??????????????




GRITO.. GRITO .... GRITOOOOOOOOOOO!

Maria Emilia Tavares disse:
" Todas as crianças do mundo deveriam ter o mesmo tratamento que tiveram as da Tailândia, como solidariedade, amor e mediatismo."

"QUEM FAZ O QUE PODE FAZ O QUE DEVE !" ( Miguel TORGA)

GRITOOOOOOOOOOOOOOOOOOO


GRITO.......GRITOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!

andrade da silva

                PELA VIDA CONTRA A MORTE!