quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

PORTUGAL - PORTUGUESES!

EIA!
No dia 24 de Abril 74 estavam todos os militares na zona de Morte.,Supostamente quando partimos dos quarteies podíamos ser mortos ou com grande probabilidade presos,e .isto nos disse-nos o coronel Belo de Carvalho quando o detivemos para ajudar fazer Abril.
Todavia como Salgueiro Maia e Maia Loureiro aqui assinalam em 25 de Abril 74 VENCEMOS
As nuvens sobre Abril, as mentiras, a manipulação, os jogos sombrios acumulam-se a ASSOCIAÇÃO SALGUEIRO MAIA contigo e por todos,se formos muitos e todos capitães poderemos fazer resplandecer o DIA INTEIRO.
Junta-te a nós ... somos todos capitães..... (SM) ... quem quiser vem... 
contacto associacao.salgueiro.maia@gmail.com

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Audição do General Jerónimo...Antigo Chefe Estado Maior










Coisas... são coisas... as palavras do sr. deputado ... coisas... o sr. general muito sincero... coisas....

No entanto, considero INTOLERÁVEL e objecto de procedimento disciplinar, ou criminal punir fisicamente os militares. Nem os pais podem bater nos filhos.

A partir dos meus 17 anos disse a pais e à demais gente que não admitia que me tocassem com um só dedo. ( Vinha eu do Liceu Jaime Moniz-Funchal, da comemoração de um primeiro de Dezembro, daqueles anos 1966, tinha dito à minha mãe que chegaria a dada hora. Não cheguei e ela heróica , sozinha, noite dentro,pela meia-noite, meteu-se a caminho, do caminho das Virtudes nº 1 - a casa ainda lá está- vindo-me a encontrar com os meus colegas na Rua das Carreiras,bem longe-destemida mulher- junto ao cemitério dos Ingleses, e, logo puxou a "culatra à retaguarda", e espetou-me um tabefe. Com toda a calma deste mundo disse- lhe : Mãezinha esta foi a tua última bofetada que espetaste, ou o quer que seja neste teu filho. Se me voltares a agredir já não serás a minha mãe e agirei em conformidade. Nunca mais a Conceição me levantou a mão.ponto Conceição no teu filho pois....).

Mãe Conceição: heróica e inteligente - uma lágrima!

Em África recorri à força para manter a disciplina, porque o capitão, na minha opinião, tinha medo de alguns soldados que contavam que resolviam os problemas caseiros a tiro de caçadeira: O Valente e o Vinagre-um deles levou uma e uma só
bofetada: era ele,ou eu.- O Sr. General devia e deve ser processado. Se tivesse trabalhado sob o meu comando teria sido punido com toda a severidade.

Fiz 43 anos de vida militar, usei por 5 vezes a punição disciplinar: um militar que em África -Mucaba- agrediu um furriel; um recruta, em 900 ou mais, que perdeu a recruta; um soldado por ausência ilegítima; outro. por roubo de um TM e uma oficial ,com repreensão disciplinar agravada, por algum desinteresse na gerência do bar do serviço.





andrade da silva, coronel artilharia,psicólogo reforma



segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

"...O ESTADO A QUE ISTO CHEGOU..."


O Resultado da auditoria do Tribunal de Contas (TC) ao sistema de saúde dos militares não me surpreendeu porque há anos que acompanho outros em acções de protesto e alerta as quais infelizmente não foram consideradas além de palavras que o vento levaria.
Nem sucessivos, oportunos e esforçados esclarecimentos feitos pelas Associações Profissionais de Militares junto de ministros e chefes militares conseguiram evitar o que irá acontecer: os hospitais privados rasgarão contratos com IASFA/ADM por falta de pagamento.
Tal falta de pagamento é um escândalo e o relatório do TC evidencia suas causas.
É um escândalo e o resultado da continuada e irregular/ilegal acção de responsáveis que decidiram ignorar gritos e rogos dos prejudicados.
Os homens e mulheres que serviram ou servem Portugal nas Forças Armadas têm vindo a ser desmotivados por políticos oportunistas, administradores incompetentes, chefes militares que me fazem lembrar os da "brigada do reumático" e por abusadores.
E agora?
Chegará observar/aplicar as recomendações do Tribunal?
Não! Obviamente, há que repor a ordem, corrigir imediatamente, fazer Justiça.
Só assim será evitada mais degradação no estado a que chegou o sistema de saúde dos militares e arrisca a estabilidade de um dos pilares da Pátria.Só assim, renascerá a esperança de que o Serviço Nacional de Saúde poderá resistir à continuada e mortífera acção de traficantes da política e empresários da saúde.


PS: Nota  Editor


🌷 :: ( AMANHÃ PODE SER DEMASIADO TARDE ???? ) 

sábado, 9 de fevereiro de 2019

SOCORRO! SOCORRO! SOCORRO! SOCORRROOOOOOOOOOOO!


ALARMEEEEEEEEEEEEEEE!!!!!



ALARMEEEEEEEEEEEE!!!!!!!!!

PORTUGUESES, COMANDANTE SUPREMO DAS FORÇAS ARMADAS. SR MINISTRO DA DEFESA, CHEFES MILITARES

ALARME!... 
SOCORRRRRRRRRRRRRROOOOOOOOOOOO!!!

Acabam de lançar para o CORREDOR DA MORTE dezenas de militares e suas famílias e o mais que aí virá???????
Os militares utentes do Grupo Melo ESTÃO ABANDONADOS À SUA DESGRAÇA:.
Os Chefes Militares ABANDONARAM-NOS pelo menos desde 2012,e Nós não ligamos nenhuma,como convinha aos que gostam de croquetes e vinho favaio..
O Ministério da Defesa Nacional, como o Tribunal de contas, revela  usou indevidamente as nossas contribuições e, agora, somos atirados para as valetas do abandono.
O IASFA iludindo a grave questão sugere que quem quiser que fique nesses hospitais só que o IASFA em consultas de 100€ contribui com 20€ , antes por desleixo e incompetência só pagávamos 3 vergonhosos euros. Contra esta ideologia do não pagamos que nos VAI MATAR também protesto
Mas no CORREDOR DA MORTE estão todos a dormir .. isto passará...
Por agora, sei que me safei à EXECUÇÃO, estou no grupo Lusíadas por ter SIDO MAL TRATADO NO HOSPITAL MILITAR ,e este,  ficar no c@ de judas, sem transportes para quem não tem a tal viat. Até quando me pouparão????
MY GOD MY GODDDDDDDDDDDDD!
A partir do dia das petas ou têm dinheiro ou vão ter de "CAVAR" para outro hospital, ou para a MORGUE,esta, fica mais barata ao Estado
SE MORRER AO MENOS QUE RENASÇA NO PORTUGAL HERÓICO DE ABRIL BASTA DESTA  TR@MPISTA COISA!
(OH amigos na frase e na foto conta a ideia o resto.... quanto à eternidade o PH é neutro)
asilva



Gosto
Comentar

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2019

ALARME!................ALARME NA SAÚDE MILITAR!



ALARME!.....ALARME NA SAÚDE MILITAR!!!!!!

SIM À VIDA... NÃO À MORTE E AO SOFRIMENTO
Pedimos ao:
Governo
Comandante Supremo das Forças Armadas
IASFA
que CLARIFIQUEM de IMEDIATO estas NOTICIAS .



CAMARADAS E CONCIDADÃOS há uma certa confirmação de que existem GRANDES DIFICULDADES de negociação entre o IASFA com os grandes grupos de saúde,, com a suspensão dos protocolos com a ADM, o que, alguns de nós andamos a prever desde 2012, face à precária saúde financeira do IASFA que afectou indevidamente a ADM.

Já fizemos sentir ao Sr. Ministro da Defesa estas preocupações que informou estar a ser feito um grande esforço para ultrapassar o inaceitável estado a que chegamos. Todavia, parece não ser suficiente e eficaz o que está a ser feito, face a estas graves ameaças do grupo Melo e os que se seguirão.
Os camaradas e seus familiares que ESTÃO nos hospitais convencionados CORREM UM MUITO GRAVE RISCO que a saída para outras unidades hospitalares mesmo para o hospital das Forças Armadas não resolve, até por causa da perda da história clínica
A SITUAÇÃO É MUITO, MUITO GRAVE pelo que apelamos ao Comandante Supremo das Forças Armadas, ao Sr. Ministro da Defesa e aos Comandantes dos Ramos das Forças Armadas, para a rápida clarificação da situação que PROVOCOU ALARME em termos do curto, mas, sobretudo, do médio prazo.
Os camaradas com mais de 65 anos pouca ou nenhuma possibilidade têm de reverter o sistema de saúde em que se inserem para um outro qualquer por motivos médicos, financeiros e administrativos. Em muitas seguradoras, não fazem seguros a quem tiver mais 65 anos, caso do Santander Saúde. Por mais de uma década, dado que as histórias clínicas destes concidadãos se encontram naquelas unidades hospitalares, o sistema da medicina convencionada que suportamos com o nossos descontos específicos terá de se manter para além de questões ideológicas e outras, afim de evitar sofrimento e mortes por perda da avaliação médica integral do concidadão doente.
ANGUSTIADOS E ALARMADOS, SOLICITAMOS O ESCLARECIMENTO URGENTE DESTA SITUAÇÃO E UM PLANEAMENTO DE FUNDO SOBRE A SAÚDE MILITAR, PARA O QUE DAREMOS O NOSSO CONTRIBUTO EMPENHADO E LEAL
Associação Salgueiro Maia (ASM)

... todos somos capitães... PRESENTE!


segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

JOVEM QUE NÃO VOLTA A CARA AO REAL

A ASSOCIAÇÃO SALGUEIRO MAIA, louva-se e dá o seu VIVA a todos os jovens que nas artes, nas ciências, na literatura, nas escolas, no trabalho, no desporto e em todas as atividades dão o seu melhor e se distinguem, como o jovem autor, Afonso Reis Cabral.

"JOVEM QUE NÃO VOLTA A CARA AO REAL

O Departamento de Professores e Educadores Aposentados do Sindicato os Professores da Grande Lisboa/SPGL, fazendo jus à sua excelente actividade cultural, realizou, no passado dia 30 de Janeiro, mais uma sessão da iniciativa – “O meu livro quer outro livro”.


Desta vez, o livro escolhido foi “Pão de Açúcar” de Afonso Reis Cabral e, para falar do livro e da obra, foi convidado o próprio autor.

A imagem pode conter: 1 pessoa, a sorrir, em pé e texto

Jovem, de sorriso aberto e trato fácil, falou do seu temperamento inquieto, do seu espírito aventureiro que o levou, aos 13 anos, à aventura de uma viagem pela Alemanha, à boleia de um camionista conhecido da família. A precoce inclinação para a escrita sempre o inquietou: escreveu estórias, poemas e, aos 15 anos, publica o seu primeiro livro de poesia Condensação.


O primeiro passo do escritor estava dado, em andamento. Inicialmente inseguro,vai em frente, em passos cada vez mais equilibrados, prossegue. Pelos caminhos da literatura, caminha, caminhando.Em 2014, publica o seu primeiro romance O Meu Irmão e ganha o prémio Leya. Em 2018 publica o romance Pão de Açúcar.


Deste seu último romance falou da motivação que o levou a escrever. Partindo de factos reais e um caso verídico de descoberta de um corpo humano, agredido e violentado, encontrado sem vida, pelos Bombeiros Sapadores do Porto, abandonado num esqueleto de um prédio não concluído, construiu a sua obra.


Ler o livro, pensar o livro, eis o desafio que se propõe, como exercício de cidadania, como modo de pensar a sociedade. O autor fez o seu trabalho, brilhantemente, diga-se. Revelando um crime ignóbil, que nos choca pela crueza da realidade, mas alerta para a hipocrisia da sociedade que tento fala de direitos humanos, que tantas leis produz sobre a igualdade de direitos, mas que trata seres humanos, por vezes, como “lixo”. Neste livro, que desce à “zona suja” do viver social, o autor dá-nos uma “lição” de dignidade no modo como nos devemos relacionar com o outro.
Obrigada, Afonso.

31 de Janeiro 2019
Maria José Maurício"

                                                               E o pão

sábado, 2 de fevereiro de 2019

CARO CAMARADA ARRUDA



CARO CAMARADA ARRUDA
MY GOD!.MY GODD!..MY GOD! HÁ COISAS....

Estou a chegar a casa, depois de te ter dito Adeus. Depois ter visto a tua mulher e filhos com dor ,e ter a certeza que os nossos irmãos militares não os esquecerão. Depois de ver tanta dor nos teus irmãos que te acompanham há 45 anos, e depois de lhes ter dito que é preciso agarrar os testemunhos ,e continuar a fazer o que deve ser feito.

EIA - que o facebook recorda-me esta preocupação de sempre, OS COMBATENTES QUE MARCHARAM E MARCHAM, EM NOME DA NAÇÃO, PARA OS TEATROS DE OPERAÇÕES DA GUERRA , que está expressa no trabalho FERIDAS DE GUERRA que partilhamos contigo, com o General Luís Sequeira, com o Governo, com o assessor militar do governo de Pedro Passos Coelho, General Chaves que me disse, MUITO BEM! com o deputado Marques Júnior, com AOFA, e na TVI, através da jornalista, Maria José Garrido

Falei-te mais tarde neste trabalho, disseste que o governo não tinha gostado, obviamente... mas ontem soube que algumas coisas mudaram.

Vergonhosamente o tempo médio para a resolução dos processos era em média de 5 anos, agora, obrigatoriamente, são 18 meses, uma grande marca, o que, fora então, prometido pelo Secretário de Estado da Defesa na sua entrevista à jornalista Garrido, que levantou o problema, onde também disseste a tua honrada palavra.

Aquele abraço. Uma Lágrima

CAMARADA, IRMÃO ARRUDA HÁ MESMO COISAS... SÃO COISAS:
andrade da silva

PS: Não posso deixar de dizer contra as toupeiras que apesar o menos bom que o facebook possa ter, estes actos são um serviço que mais ninguém presta à comunidade e muito menos esses que tanto falam de direitos, liberdade, mas nunca arranjam um espaço para a liberdade dos outros....
GUERRA COLONIAL. A VANTAGEM DOS ESTUDOS.

O trabalho feito sobre a deficiência Militar é essencial, para provar que os diagnósticos iniciais falharam entre 20 a 40% dos casos presentes para diagnóstico, ou por optimismo, ou por pressão do esforço de guerra e por outros motivos que todos conhecem na ordem do político, mas que num estudo cientifico pode supor-se, mas sem adiantar provas não se pode referir.

Todavia muito claramente PROVOU-SE com números e com métodos matemáticos que o estado falhou nos diagnósticos e fez um processo de acompanhamento ineficaz. Alguém antes o tinha demonstrado com dados científicos? Desconheço, e fui psicólogo militar de 1993 a 31 Dezembro 2006.
Este trabalho não tem só a ver com a guerra de África tem a ver também com os militares hoje no estrangeiro, mas mesmo em relação a África até 2035 muitos estarão por cá, ainda há 25 anos pela frente.
Quanto aos que morreram e aos que estão perdidos este trabalho indica responsáveis, sobretudo o estado entre 1961 e 1974, ou seja, o Estado de Salazar e Marcelo, é um facto, por não ter conseguido fazer os melhores diagnósticos, como alguns referem da sua experiência, e apesar de depois de 1974 se ter feito bastante, mas ainda se tem de ir mais longe e este estudo diz como, desde logo, criar um SISTEMA DE ACOMPANHAMENTO UNIVERSAL aos ex-militares que os apoio, sem eles terem necessidade de reclamarem e submeterem-se durante 5 anos a um processo administrativo. Isto não está feito e os dados, as tragédias, as dores reclamam, e isto está dito preto no branco no Estudo.
De qualquer modo não será por acaso que tendo sido este trabalho entregue em Junho de 2010, no Ministério da Defesa reine o silêncio, o jornal Público falou, talvez se fale, enfim… mas vou continuar a editar textos sobre o trabalho.

video 50 Anos de Guerra
https://tvi24.iol.pt/videos/reporter-tvi/reporter-tvi-50-anos-de-guerra/543ff08f3004b8a32596b195