quinta-feira, 23 de julho de 2009

CASTIGO, CROMOS E OUTROS, OU QUANDO DEUS EXISTE.


Segundo a religião medieval, Deus castigaria de vários modos os pecados, assim, era crença que filhos com trissomia e outros graves defeitos ao nascimento advinham de pecados ou promessas não pagas pelos progenitores. Enfim a Idade Média já passou, e creio que terei alguma formação cultural e académica para ultrapassar essas crenças, mas será assim, ou, talvez não?

Não sei, quando vejo, o que vejo, hesito nas minhas certezas e dúvidas. Fico confuso e completamente ignorante quanto aos porquês de tudo isto, assim, aconteceu no último sábado no metropolitano. Corria o comboio barulhento a alta velocidade, quando reparei num ser humano, um homem adulto com pouco mais de um metro, tal era a curvatura da sua coluna, todo ele estava dobrado sobre si próprio.

Mas como tamanho defeito não bastasse tinha um dos pés dobrado a noventa graus e sobre ele se deslocava, e como se ainda não bastasse o braço, sobre que se apoiava numa canadiana, tremia todo. Era feio e como, se ainda, fosse preciso mais dor e tormentas era pobre, pedia esmola. Olhando para todo este Mundo de indecifrável conjugação de factores negativos, só posso mesmo pensar ao nível da idade média. Este homem nasceu assim, para expiar por pecado que não cometeu, mas é culpado, quiçá, é filho de um incesto.

DEUS vingou-se!

Corria o dia, e antes que a lua aparecesse e os lobos uivassem, no jardim zoológico, eis se não quando, uma mulher com uns 50 anos atravessa transversalmente a minha vista, deslocando-se a grande velocidade e ia também com um pé dobrado a 90º. Então, começo a pensar, porque tenho os olhos tão abertos e vejo tanta coisa que não gostaria de ver e pior o que, através daqueles olhos tristes e aquelas caras fechadas, leio de dor alheia que tanto me dói? Também expio os meus pecados ou os de outrem, ou quer Deus dar-me sinais? Quem me responde?

Hoje, dia 21 de Julho 09, passei pela capela da nossa senhora da saúde, a dos artilheiros, e vi cromos, homens com pernas todas embrulhadas em trapos a recusarem o transporte numa ambulância dos bombeiros para algures, e outros cromos da idade média, com rádios que aparentemente não funcionavam tal era a porrada que o seu dono lhe dava, a barafustarem pelo facto do outro desgraçado não querer embarcar, o que, segundo este ET da idade média, devia ser punido com um tiro, porque o homem era porco e sujo, cheirava mal.

Fico parvo, mas em que época e país estou? Duvido que seja 2009 e esteja em Portugal, mas não me engano é 21 de Julho 2009 e estou em Portugal.

Desço mais um pouco, e vejo um conjunto de corpos disformes, aos montes, gorduras podres, carnes maceradas, a expressão humana da decadência a venderem aquelas carnes infectas de sida, gonorreia a outros escolhos.
A pensão fica ali, diz uma voz sumida a um velho derreado, e esta desgraça transacciona-se a outros desgraçados. Isolada, só, do outro lado do passeio, uma rapariga mais jovem, mas com o mesmo destino já traçado, olha tristemente o seu futuro, a decadência do seu espírito e corpo.

Expiam estas desgraçadas os pecados de quem? Será do pecado da miséria e do abandono?

Subo ao Chiado, são 15 e pouco, e, por ali, gente bonita, belas mulheres compram bijutaria cara às dezenas, para ficarem mais belas, são a expressão da beleza da face de Deus. São angélicas, não têm pecados, com estas dormia um sonho de glória a Deus, era um sonho na ilha dos amores, lânguido, sem nenhuma nota conspurca. Conseguiria amar, de um dado modo, sonhar ao lado destas lindas mulheres abençoadas por Deus e pela Beleza. Deus ama-as, Vénus embeleza-as. As outras são pecado , estão infectadas, não as posso amar, libidinosamente, nunca.

E a verdade suprema se desenha na minha mente, a rebentar, DEUS EXISTE, e abençoa as mulheres bonitas para serem amadas por homens bonitos e ricos, e condena à imundície, à putrefacção as pecadoras. Como percebo, agora, os saberes da idade média ou a voz dos padres, em Lisboa, no dia 1 de Novembro de 1775: PECADORES! EIS O CASTIGO!

Bondosos frades sois a verdade e a luz, agora, acredito, mas mais acreditaria se uma das beldades do Chiado me escolhesse para um sonho de passagem. Mereço o milagre, porque, agora, acredito.

Estarei louco?
DEUS!

Asilva 21julho 09

3 comentários:

isabel Pestana disse...

É o mais certo ! (resposta a tua pergunta final)
Sendo Deus tão bom como dizem, como pode fazer coisas dessas? Uns pagam por pecados de todos nós, e outros (as do Chiado) passeiam-se e gastam o dinheiro de todos nós! Que injusto Deus é este!
E estás a espera de um milagre? mas isso não existe! lol
bjinhos
Isabel

Maria Luis disse...

sera q afinal Deus eh o Pai Natal ou o coelhinho da Pascoa q não existem.
se Deus=Pai Natal=coelhinho da Pascoa então Deus não existe. O q ha eh muita injustiça social.

andrade da silva disse...

Pois, Pois....

Deus existe? Mas se existe que Deus é? Como é possivel alguém ser tão torto, sofredor e pobre e ser filho do mesmo Deus que é pai das beldades majestáticas, (percebes, porque preciso do milagre, não sou majestoso)?

Mas mais grave é como foi possível que esta sociedade tenha esquecido aquele homem, e, agora, arrependo-me por ter sido forreta na esmola, mas, nestas circunstâncias não sei se não estaria a alimentar um vício perverso a um banqueiro da BPN caído em desgraça?

Bem, mas eu estarei mesmo bem? Oh Isabelinha, mas pensas mesmo que... enfim... não acredito.
Bem vinda Maria Luis.
bjnhos
joão