quinta-feira, 31 de março de 2016

DA NOSSA/(TUA) SOBREVIVÊNCIA:





Texto Major General Carlos Branco:





O meu camarada Major-General Carlos Branco lança ALERTAS importantes sobre o terrorismo em solo europeu, e refere que a EUROPA, no seu todo, tem de estudar e encontrar respostas para as guerras internas que se desenham de vários radicalismos: o dos que têm feito estes atentados, que ele refere, mas também os da extrema direita protonazi a que não alude, mas que com base nestes atentados terroristas quer amedrontar os europeus e conquistar o poder para nos imporem o terrorismo de estado
.
Por outro lado há questão do Médio oriente com o DAESH que exige uma resposta multidimensional e, na opinião de muitos, de que partilho, uma dessas dimensões é MILITAR, porém, a Europa está DESARMADA E INDEFESA nessa fronteira, como nas mais próximas do leste europeu etc

Todavia, é apontado o caminho necessário a percorrer- o do ressurgimento da Europa, com lideres à altura do presente e do Futuro, e que se crie com urgência ou se reactive os órgãos de estudo estratégico para a efectivação das melhores geopoliticas e geoestratégias para o Mundo actual, o que, tarda.


De qualquer forma tudo foi bastante abandonado e, obviamente, que estas ameaças internas e externas assimétricas vão manter-se, e se não subirem o grau de violência e destruição, como a ficção sugere, já algo nos protegeu, mas há noticias que correm de uma gravidade extrema como do assassínio de guardas de centrais nucleares com o roubo de segredos de segurança.


Na minha opinião há uma questão de liderança e uma crise de valores civilizacionais, que são de outra natureza, ou não se reduzem aos valores religiosos como alguns pretendem.


Em conclusão o meu camarada apresenta um conjunto de alertas fundamentais que são um progresso essencial na abordagem desta matéria. Todavia, na minha opinião, por ser tão evidente, as múltiplas interacções entre o que vai acontecendo no terreno, tornam  necessário uma abordagem holística quanto às dimensões internas e externas, na perspectiva geopolítica, geoestratégica, geoeconómica, geossocial e religiosa, e, naturalmente, a incompetência, a falta de vontade, o medo dos governantes e a corrupção nacional e internacional geradora de brasis não podem ficar de fora, e, ainda, como um foco essencial de guerras o DASEH existe e, enquanto existir expelirá milhões de cidadãos que como emigrantes económicos, ou refugiados ampliarão os problemas referidos, trarão outros numa dimensão imprevisível, até porque o tampão Turquia provavelmente implodirá. Estamos, ou podemos estar, no limite da sustentabilidade de uma situação europeia precária que poderá evoluir para patamares de violência bem mais graves, ainda, e generalizados como resultante da interacção entre todos os input´s geradores de guerras, batalhas e conflitos mesmo entre os países da UE, um risco maior. Logo que a Europa DESPERTE. Seria um erro tremendo por falta de visão das coisas limitarmo-nos a  agarrarmos  boias, quando para atravessar este mar revolto vão ser precisas boias que nem existem, mas, sem dúvida nenhuma, na opinião de alguns, de que partilho por inteiro,  os cruzadores não serão dispensáveis etc.etc..... mas... coisas... o costume, costumeiro repete-se, contudo será importante a hipervisão holística e estudos interdisciplinares  com competência e urgência (Zulu) máximas..... porém, todavia, contudo.... provavelmente nada de novo a Oeste, como muitas vezes( vezes demais) tem acontecido.

Boa sorte para nós europeus e para o Mundo e Médio Oriente!


andrade da silva

coronel artilheiro/psicólogo, situação militar de reforma



CRUZ OLIVEIRA, CAPITÃO DE ABRIL, PARTE PARA A MORADA COSMICA UNIVERSAL





Capitão de Abril, foi secretário de estado da saúde em julho 74, onde, lançou alicerces importantes para o SNS que conhecemos, sobre o que teorizou num estudo comparativo com outros países, publicado em Novembro 74, no Obra o Livro Cinzento.

Cruz Oliveira médico da Força Aérea também foi afastado, após os acontecimentos de 25 Novembro 75, tendo sido mandado para a prisão de Custóias, numa coluna militar que durante o trajecto, ou já na prisão poderiam ter sido sujeitos a um dado truque, que também me foi sugerido fazer em África, em Mucaba, com um negro detido, como suposto terrorista, e que lhes poderia ter custado caro. Tal não aconteceu por intervenções várias que o próprio Carlos Oliveira me relatou nas comemorações de um 5 de Outubro, junto à estátua de José de Almeida.

Cruz Oliveira também me visitou várias vezes, durante os meus cerca de dois anos de prisão (76-79) na prisão da Trafaria como camarada e médico. Na defesa da minha saúde entre receitas etc. ofereceu-me um aquecedor elétrico para matar a grave humidade daquele sitio, sendo eu absolutamente alérgico a tal calamidade -a humidade, foi uma dádiva importante

Ao seu filho João Carlos que tão  comovida e generosamente o acompanhou em todos os momentos, neta e neto, parentes, amigos e amigas, em particular, à nossa amiga comum Maria José Gama, e a todos os camaradas um amigo abraço

andrade da silva

PS:

MONSTRUOSO....MONSTRUOSO.....MONSTRUOSO..... A BESTA DE SEMPRE.

Carta de Cruz Oliveira, que desconhecia ,postada por Joaquim Pina : Carta divulgada pelo Coronel na reserva Mário Tomé e que faz referencia aquilo que o Coronel Andrade Silva faz referencia neste seu artigo: Meu caro Ramon de La Féria

Em tempos escrevi-te uma carta curta, mas bastante sentida, em que te agradecia o quanto te devia pessoalmente, e também quanto te deviam muitos dos que devotadamente se envolveram em defender os ideais de Abril. E sinto agora novamente necessidade de te escrever, para que, quem desconhece o por ti feito, possa avaliar a tua coragem, nobreza anónima e determinação que obstou a que tivéssemos sido exterminados como esteve para acontecer depois do 25 de Novembro. Mas passo a contar:

Em meados de 1978, estava eu sentado na mesa de uma esplanada com o meu advogado e nosso comum amigo, Teófilo Carvalho dos Santos, que era na altura o meu advogado para me defender das perseguições de que estava a ser alvo por parte da Força Aérea, quando passou um homem que ele cumprimentou dizendo – Adeus, Ó Mário! – e perguntou-me – Você não conhece o Cal Brandão? E com a singeleza e simplicidade que o caracterizava contou-me: Você lembra-se de que quando esteve preso em Custóias, correu o boato de que havia um grupo de doze presos que deviam ser liquidados?

Se me lembrava! Apesar de estarmos incomunicáveis e com dificuldade em sabermos o que se passava cá fora, chegou ao meu conhecimento pelos truques em que os presos e as famílias são férteis, de que no Estado Maior da Região Militar do Norte, se estava a estudar a execução de um golpe, que visava a liquidação de doze detidos considerados como cabecilhas e perigosos. A operação a executar era simples, seríamos metidos em carros celulares e com uma escolta militar escolhida a dedo, seríamos transferidos para a Guarda. Em determinado sítio os carros detinham-se, deixavam-nos sair para urinar e seriamos eliminados a tiro sob pretexto de que tínhamos intentado fugir. Seria também inculpado nisso um grupo de ciganos, que erravam então na região. Os militares a liquidar eram os doze que posteriormente foram transferidos para o Presídio Militar de Santarém, o Campos de Andrada, o Tomé, o Queiroz Azevedo, o José Andrade, o Francisco Paulino, o José Afonso Dias*, o Álvaro Neves**, o Godinho, um “civil de apelido Luz”***, mais dois militares e eu. A operação não se realizou imediatamente porque havia dificuldade em reunir um grupo de soldados que se dispusessem a colaborar num assassinato desta ordem; isto foi o que nos contaram alguns militares já contactados para o efeito e que desvendaram o segredo às nossas famílias. A operação dependia directamente do Chefe de Estado Maior da Região Militar do Norte.

Foi num destes dias negros, que com a frontalidade com que sempre assumes as tuas atitudes, me escreveste. Uma carta sentida de encorajamento fraternal, de compreensão pelas atitudes tomadas, de esperança na persecução nos ideais de Abril. E respondi-te logo, numa pequena missiva, em que contava todas estas peripécias, ciente de que era bem possível vir a ser liquidado dentro de dias e bom seria que a história pudesse vir a contar, posteriormente, com o esclarecimento do ocorrido…Recorrendo a uma artimanha que na altura me ocorreu, mandei-te a carta dentro de um par de botas que “simuladamente” não me serviam, nem nunca chegaram a servir, que eu devolvi, através dos guardas, à minha família. Que guarda ia pensar que dentro das bolas de jornais amarrotados que enchiam as botas, ia uma carta para ti? E assim recebeste a minha carta.

A operação de transferência-liquidação, não soubemos porquê na altura, gorou-se e fomos transferidos sim, mas de helicóptero, para Santarém.

Começa aqui novamente a narração do Teófilo: - “Você lembra-se de ter escrito uma carta ao Ramon de La Féria a contar que o Pires Veloso se preparava para mandar matar alguns militares presos, entre os quais estava você? Vocês tiveram sorte, porque segundo me contou o Cal Brandão, o Ramon, nesse dia mesmo, meteu-se num avião, foi ao Porto, mostrou a sua carta ao Mário que era o Governador Civil e os dois foram falar com o Pires Veloso em termos tão firmes que ele deu o dito por não dito, que isso não era assim, que podiam estar descansados e até chamou o seu Chefe de Estado Maior, o Major Gabriel Teixeira, que era quem tudo estava tramando, que também negou a operação, que, segundo soubemos, até já tinha o nome de “Operação Montanha”.

Escapámos por pouco. E nunca se soube como nem porquê. Encontrei-te várias vezes e nada me contaste. É bem do teu carácter e da tua modéstia esse proceder. E incógnita ficaria esta façanha, um acto tão belo e de tanta determinação morreria solteiro.

Escrevo-te hoje esta carta, de que farás o uso que quiseres, certo de que, em mais um aniversário do nosso 25 de Abril, quero que as gerações vindouras te conheçam, saibam o teu nome e te considerem um Homem de Abril.

Eles agradecer-te-ão, eu não o faço. O teu acto é tal que deve se exaltado e não banalizado.

Fraternalmente teu amigo, abraça-te com dedicação e amizade o

Carlos Cruz Oliveira

Ericeira, 25 de Abril de 2001"

O facto de os doze militares terem sido, abortada a operação Montanha, transferidos para Santarém, demonstra cabalmente que um destino diferente lhes foi de antemão reservado. Aliás não tem sentido separar “os cabecilhas” quando os presos estavam, como já referi, totalmente isolados.

*Já falecido.

**Álvaro Neves, já falecido, e Godinho Rebocho, sargentos paraquedistas que encabeçaram a movimentação dos paraquedistas contestando a sua extinção como Corpo

***Militante do PRP.

--------------------------------------------------


Ao Carlos Eis " soldado
que morre por ninguém num campo de batalha", ( Manuel Alegre), mas sempre a pensar na sua Pátria e no seu povo, outros o levam às guerras, mas ele, soldado, é povo, .Vi-o e vivi paredes meias com eles a guerra de Africa e a madrugada do 25 de Abril, e nas Bósnias, o mesmo de sempre : O Soldado!

terça-feira, 29 de março de 2016

POLÍCIA MARÍTIMA TÃO IMPORTANTE, QUANTO ESQUECIDA.




Num destes sábados fui à tomada de posse dos novos dirigentes da Associação Profissional deste corpo de segurança. Foi uma grande honra e uma grande alegria verificar que o Comandante desta força, de 500 homens, Vice Almirante Silva Ribeiro acompanha-os e vive os seus problemas, o que, constitui uma grande vitória para o comandante e os que comanda.

Todavia, este corpo profissional para bem de Portugal, dos portugueses,... especialmente das gentes do mar -pescadores e outros - precisa de ter uma carreira autónoma, precisa de mais efectivos e meios, e também no domínio da autoridade marítima com várias policias : Policia Marítima, GNR e ainda Instituto de Socorro a Náufragos, Marinha etc. a confusão é grave com consequências desastrosas em todos os domínios: combate ao crime, e, concretamente, no apoio a náufragos em situações em que a Marinha e a Força Aérea não possam agir e os funcionários do INSTITUTO estejam fora do horário de serviço, facto que se verificava depois das 17/18h, como aconteceu no grave acidente da Figueira da Foz., com perda de vidas e não de todas, porque um agente por sua conta e risco se fez à ao mar e salvou alguns Salve : o Agente Carlos Santos!

Agente Carlos Santos - O HOMEM! Da substância de que são feitos os heróis com génese no melhor do nosso povo


À atenção de todos e, também, dos poderes locais da orla marítima.

Andrade da silva

                                                     Cerimónia de Posse



Em honra deles:https://www.youtube.com/watch?v=ceiDpI_ZabA e lembrando os que pereceram.



segunda-feira, 28 de março de 2016

PIQUENIQUE DE SEGUNDA-FEIRA DE PÁSCOA NO ALENTEJO: UMA MEMÓRIA A DEFENDER

.
Foto da nossa amiga Luzia, para recordar...


Participei num, destes piqueniques, nos idos de 1975, em Montemor, recordei-o hoje, e sofri a dor ,pela minha amiga alentejana Luzia Alvarez dizer que em muito Alentejo se terá perdido esta tão bela e comunitária tradição - um erro tremendo, incrível.

O Poder Local, as associações e o povo não podem deixar morrer. Perder estas tão belas tradições é SUICIDAR-SE COMO POVO - é, na minha opinião, um acto bárbaro, como ...destruir um monumento.

Querida gente não permitam que MATEM a ALMA Alentejana, expressa nestes actos, que um Madeirense recorda quase um século, mil anos, depois.

DEFENDAI O ALENTEJO as suas tradições positivas e belas.

Oh POVO/POVOS do Alentejo!
Oh Poder local!

Oh Associações!

Vamos de novo ao borrego no campo na 2ª feira de Páscoa.

Não matem o património do Alentejo, outros fazem noutras paragens, coisas tais. As festas, as tradições não valem nada menos do que as estátuas de Buda ou Diana Falemos muito claro, da minha parte, sempre o mesmo verbo: preto no branco ,como é da condição de soldado e quiçá de madeirense.


andrade da silva


SEGUNDA-FEIRA DE PÁSCOA, 1975.


                                                 Flores de Alcácer do Sal, de um Abril.....


Pela 1ª e única vez, em 1975, participei nas comemorações da 2ª feira de Páscoa no Alentejo, em Montemor -o-Novo, através de um piquenique, então, desde as câmaras às cooperativas não se esqueciam de nos/me convidarem.

Vieram outros tempos, outra gente que nem nascida era então, tomaram o poder e vai daí..... até correu por muitos anos que tinha sido morto em 1976, na Madeira... coisas...

Todavia, lá, por Montemor ,ainda, um punhado de grandes mulheres e homens montaram uma cooperativa de seu nome Andrade da Silva, por sinal uma pérola, relativamente pequena, no máximo, se tanto, com 100 cooperantes, com algumas terras até arrendadas. Muito gostava desta cooperativa pelo seu ambiente familiar e muito próximo entre as pessoas. Julgo que a devem ter pulverizado e queimado todos os cooperantes  numa ou em várias fogueiras, com colaborações insuspeitas... coisas...

Seja como for ,e acima de tudo, um grande abraço ao povo-plebeu do Alentejo, sem poder que acompanhei durante a sua Revolução de 25 de Abril 74, a 25 de Novembro 75, fim inglório da Revolução.

abraços e beijos

andrade da silva

PS: A quem de novo e, em boa hora, nos acompanha: BEM-VINDO!


domingo, 27 de março de 2016

DA VIDA E DA MORTE




Margarida jaz
adormeceu, em 26 de Março:
já não acordou em 27 de Março,
...
num ápice partiu ,
fim da picada.
Sua irmã recebeu o testemunho- vida,
Em 27 nasceu,
dormirá. acordará
Num ápice nasceu:
Viverá
fará um dado percurso
dormirá, acordará,
e partirá para junto da sua irmã
um dia, numa noite, talvez,
para brincar com a Lua.
Avida e a morte são assim:
instantes.
Eis:
o tudo do tudo.
joao

ALVORECE!






AOS MEUS CAMARADAS E EM MEMÓRIA DOS QUE JÁ ESTÃO NO COSMOS (MUITOS E GRANDES HOMENS - MINHA MÃE, MEU PAI, CARLOS FABIÃO, SARDINHA, MIRANDA, AMILCAR, BAPTISTA, QUEIROZ DE AZEVEDO, COSTA MARTINS, VASCO GONÇALVES, SILVA PINTO, GUAMÃO NOGUEIRA, CABO ANTUNES, ALFERES MILHEIROS - MUCABA/ANGOLA, 72- DRS XENCORA E GOUCHA SOARES, CARAVELA, CASQUINHA, ALENTEJANOS.... )AINDA NÃO PARTIU NENMUMA CAMARADA, ÓPTIMO...
AOS POLICIAS,
BOMBEIROS,
...
MÉDICOS, ENFERMEIROS,
MOTORISTAS,
EMPREGADAS DOS SUPERMERCADOS ( A CATARINA,TÃO SIMPÁTICA)
E A TODOS OS OUTROS QUE TRABALHAM NESTES DIAS (A MIZÉ)
ÀS AMIGAS E AMIGOS DO CORAÇÃO,
À FILIPA QUE SOFRE COM A AGONIA DA SUA AMIGA CADELA, A BRUTA,
ÀS E AOS QUE SOFREM DOR E LUTO, MINHAS E MEUS IRMÃOS :
ALVORECE!
ESPLENDOROSO DIA DE BOA ALMA, PENSAMENTO , CORAÇÃO, E MEMÓRIA.
E DE BÁLSAMO PARA QUEM TEM DOR

UMA LÁGRIMA....

DE VÓS


JOAO

sábado, 26 de março de 2016

Infinitésimo Imprescíndivel: Utopia



Texto do Capitão Mar e Guerra   António Moura


Infinitésimo Imprescíndivel: Utopia: Ponto prévio – No que respeita a deus, há quatro espécies de seres humanos: 1) Os crentes pela positiva – acreditam num Deus; 2) Os c...

NO REINO DAS MARGARIDAS.


Vivem
dormem, como as gentes, 




  acordam, como as crianças,...



juntam-se de manhã para brincarem com o Sol.





reproduzem-se na minha casa
falamos
dizem-me que sou um tipo porreiro, porque as coloco em lugar sem luz para dormirem,
enfim, descobri estas simples coisas ontem.
Sei hoje o que não sabia em fevereiro de 2016, antes de as encontrar no Algarve....

Também o meu amigo pardal (a) é um tipo porreiro.



Todavia, persisto em gostar mais dos humanos,
but... a maldade
...
coisas...
com amor

joao



(a) O porreiro do pardal, como disse o meu camarada Serafim não é pardal, é um porreiro de um roseicollis. OH roseicollis desculpa lá o mau jeito. Serafim o roseicollis agradece.



sexta-feira, 25 de março de 2016

RENASCER DO AMOR


                                             margarida dorme....

CAMARADAS,AMIGAS E AMIGOS

Que sempre e, agora, RENASÇA o AMOR, A FRATERNIDADE,  A CAMARADAGEM.



Boa Páscoa ,com amêndoas doces e mui belas, em modo QB.


margarida acordou...



abraços

andrade da silva


PS:

Sequência das fotos: A margarida dorme, uma laranja do Algarve aos pés da Cruz, a margarida alvoreceu...

AQUELA DIFERENTE E ARRISCADA PÁSCOA 1972 MUCABA/ANGOLA.






Camaradas da companhia de Mucaba/Angola, este, então, Alferes, vosso comandante de Companhia, depois da missa da Ressurreição de Aleluia, com garbo e cagança fez a companhia desfilar pela vila com os seguintes objectivos:

- Comemorar à militar a Páscoa;

- AFIRMAR : NÃO TEMOS MEDO DE NINGUÉM - VIVEMOS COM GARBO E DE PÉ A VIDA QUE NOS COUBE;

- Oh portugueses de Mucaba NÓS ESTAMOS AQUI E EXISTIMOS, os Unimogs 404 vão roncar - escutai ! ( pareciam cegos, surdos e mudos, mas...):

- Somos Militares garbosos e não guerrilheiros ou...

Militares de Mucaba, família dos Militares de Mucaba, Portugueses, o Alferes Andrade da Silva, violou todas as regras da Segurança, corremos um risco incalculável, podíamos ter caído, quase todos, mas desafiamos todas as leis graves da luta subversiva: FOMOS VENCEDORES!

Desafiamos o inimigo: tínhamos o domínio da guerra, ali, éramos vencedores - Não sentimos medo, só peito e cagança. Ultrapassamos todas as linhas vermelhas, o vosso Alferes, vosso comandante, com 23 anos de idade, conduziu-vos para uma aventura, assaz perigosa - deu certo, mas em nome desse alferes, devo pedir-vos muita compreensão para tão ousado acto, mas que também demonstra que se uns meses depois, em 13 Novembro 72, na Damba ,dizia que era preciso mudar o curso da história da guerra de África nunca foi por medo.

Boa Páscoa de 2016 para todos, com amêndoas saborosas, belas e em qb - Abraço-vos e às vossas famílias e a todos os camaradas, amigas e amigos.

Boas manhãs matinais e alvoreceres de luminosidade.

andrade da silva
soldado da Mátria e de Abril, à hora certa 22h55’ do dia 24 de Abril 74, à voz de comando da senha: “E DEPOIS DO ADEUS”


PS:

1-
"Sabeis, ó covardes, o que é ser Soldado?
É não comer quando se tem fome, não beber quando se tem sede e poder com o companheiro ferido às costas, quando não se pode com o seu próprio corpo" ===“”Teixeira de Pascoais



2 - Mas será mesmo que tenho de pedir o grande favor de me lerem e de fazerem o favor de dizerem a outras para me lerem, quando relato factos da nossa história esquecidos e apresento ideias alternativas ao pensamento dominante que nunca nos libertou da cercadura, onde, vegetam os escravos, dominados e pisados por umas centenas de milhar de agulheiros e meia dúzia de todos poderosos totalitários que usam a politica como mero instrumento da manutenção dos escravos repartidos  por várias tribos?

Mas, se for preciso, não o pedirei...

e quem faz o que pode, faz o que deve, quanto ao mais sede felizes e que a aurora boreal vos ilumine.


quinta-feira, 24 de março de 2016

RECTO DIÁLOGO, INTEIRO . NADA É MAIS FORTE E SUBLIME QUE A CORAGEM E A DIGNIDADE DE SER CIDADÂO

.
                                                     Cte. Serafim Pinheiro

João Andrade da Silva:

Não tenho as palavras que descrevam a consideração, a amizade e camaradagem que sinto por este camarada, por ser quem é, mas também, por ser um Comandante que estando tão longe na Diáspora, está tão presente da Mátria pelo seu amor a este pequeno-grande país -Portugal, e a cada um de nós pela Camaradagem.

O comandante Serafim Pinheiro desempenhou cargos de alto conteúdo militar, patriótico e da Revolução de Abril ( Revolução de 25Abril74 a 25 Novembro 75) na Casa Militar do General Costa Gomes.

Apito a bombordo: Continência Comandante!

Aquele abraço.

Serafim Silveira Pinheiro:

João Andrade da Silva, emérito tenente do MFA, verdadeiro Capitão de Abril, moderador de graves conflitos nas ruas da Revolução dos Cravos ou nas planuras do meu Alentejo e corajoso (infelizmente esquecido) tribuno da Verdade nas Assembleias revolucionárias decidiu distinguir-me. Aceito, com humildade e honra.


A minha amarra à Pátria ficou dobrada.

Obrigado meu Coronel.

-----
Carlos Camões Galhardas:

Amigos da Nação Alentejana!

------

João Andrade da Silva:

Caro Camarada Serafim , caro Comandante, só um Homem generoso, probo, camarada, verdadeiramente alentejano e português, nunca vencido, poderia ter tamanha coragem de dizer tão sentidas palavras.

Registo, registemos este acto que é para mim de generosidade, imensa, e, para ti, caro camarada, de uma nobreza indelével., de um militar e filho ínclito de Portugal .

Para ti e para o Carlos, alentejano do Alandroal, mesmo do centro do Alandroal, aquele abraço.

andrade da silva
soldado da Mátria e de Abril, à hora certa 22h55’ do dia 24 de Abril 74, à voz de comando da senha: “E DEPOIS DO ADEUS"




BRUXELAS , EUROPA E AS VITIMAS


                                                            Pelas Vitimas.

Pobre gente da nossa/minha gente, vamos continuar a cair por muitos e muitos anos.

Porque a Europa foi infectada pelo herpes dos donos do terrorismo- Bush, Blair e pelos seus eunucos Aznar e Barroso que andam por aí a ganharem milhões em conferências esgotais.

Mas.....

Quando em Bruxelas há uma grande operação em curso contra os terroristas, quão estranho é- que o aeroporto possa ser tão vulnerável.!

Os que conhecem o modo de operar destes criminosos com estratégias e tácticas de guerrilha assimétricas, como os militares, nunca estão a desempenhar funções nos lugares certos. No Instituto de Altos Estudos Militares estuda-se esta matéria,( o instituto publicou uma obra sobre o assunto: Estratégia contemporânea e conflitualidades)...  mas nem o Ministério da Defesa, nem as televisões, nem as populações ouvem, ou sabem o que pensam os militares e as forças de segurança sobre estes perigos, Só escutam professores doutores e o Nuno Rogério- tá certo ... coisas...

Havendo tanta tecnologia disponível para, por exemplo, detectar nos supermercados gente com fome que se aproprie de uma broa, porque não defendem  com tanta eficiência as nossas vidas nos locais de grande concentração de pessoas?

Evidentemente que esta luta estará, sempre, perdida, até quando os Estados Unidos forem amigos da Arábia Saudita que é amiga destes bandidos do DAESH, e são cúmplices desta trágica aliança todos os governos da Europa, que se calam, e dizem vacuidades circunstanciais. pura vulgata, sobre estas tragédias para quem morre e seus familiares.

A luta contra o DAESH não será fácil, será dura, dolorosa e cruenta, mas se não se fizer nada, ou muito pouco - os discursos de indignação, o humor etc etc não evitarão mais mortos, não prevenirão uma só morte, mas servem um certo ritual e uma dada alienação - a alienação dos tristes, das vitimas e dos consciente ou inconscientemente ignorantes;

Há uma questão multidimensional Moral, politica, social e militar que exige também competência técnica, coragem para atenuar o DESASTRE e reduzir a ameaça.

Pobre gente da nossa/minha gente, vamos continuar a cair por muitos e muitos anos, porque com esta gente que nos governa, nem daqui a 1000 anos teremos um nível de segurança saudável.

Tudo o que fizermos já vem tarde, mas se nada fizermos ainda ficará muito, muito, muito mais tarde, já no limite do desespero, e nunca nos esqueçamos: um de   nós ou um dos nossos podem cair em Bruxelas, Paris, Madrid etc..

Está em curso a 3ªfase da conquista do grande CALIFADO ISLAMICO, que obedece a uma estratégia centenária, como os estrategas militares poderão adiantar e demonstrar.

Uma lágrima impotente, dorida, sangrando de dor e raiva pelas vitimas gente da nossa gente, e quantos ainda vão morrer esmagados pelo ódio e fanatismo destes e de tantos outros facínoras, bárbaros e fanáticos à solta?

Europa cuida-te também, cuidemos! Há muito Hitler renascido ou nunca morto por aí, e são o perigo do terrorismo de Estado, agora, dos nossos estados.

ALERTA!

andrade da silva
soldado da Mátria e de Abril, à hora certa 22h55’ do dia 24 de Abril 74, à voz de comando da senha: “E DEPOIS DO ADEUS"

                                                  TAMBÉM   CULPADOS!



segunda-feira, 21 de março de 2016

COMANDANTE SUPREMO DAS FORÇAS ARMADAS: A SUA PALAVRA.





A PALAVRA DE COMANDANTE É SEMPRE COMPROMISSO A HONRAR, NOS SEUS PRECISOS TERMOS.


As palavras do Presidente da República às Forças Armadas Portuguesas de honra ,orgulho e gratidão para com estes Servidores da Pátria, foram exactas , justas e bem portuguesas, no sentido de que grande parte da Nação se revê nas suas Forças Armadas e o Presidente da República deve expressar esse grande sentimento do nosso povo plebeu que todos os militares conhecem, e também falou como um comandante e nesta dimensão cada palavra é UM COMPROMISSO DE HONRA, que entre os militares exige o seu total cumprimento até com o sacrifício da própria vida, e, quando um comandante assim não procede comete um ou vários crimes: DESONRA, COBARDIA E,OU TRAIÇÂO.

O Presente e o Futuro, que é já amanhã, a todos julgarão moral e historicamente.

A maioria esmagadora dos políticos, na minha opinião, e dos intelectuais em modos menores não reconhecem o valor intrínseco e nacional das Forças Armadas e nada sabem sobre as dimensões de um COMANDANTE, confundem um comandante com um qualquer seguidor. Todavia há uma grande diferença- seguidores podem ser aos montes, comandantes, enquanto líderes e como tal reconhecidos, são poucos. E de quem se afasta de um homem pobro - um comandante - que dizer?

Conheci os discursos de Salazares e Marcelos Caetanos que, pura e simplesmente, através da adulação de generais- políticos e muitas vezes, militarmente, incompetentes, formaram a guarda pretoriana do regime. Tais tempos não voltarão nunca, porque nem a Nação, nem as Forças Armadas o consentem.

O Futuro é já aqui e agora e, assim, veremos o desenrolar da história. Por ora, o Presidente da República, Chefe Supremo das Forças Armadas, Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, cumpriu com um imperativo categórico que a Nação lhe impõe e imporá., por força da eleição para Presidente da República e da responsabilidade Constitucional de Comandante Supremo das Forças Armadas.

Firme ! Sentido. EM FRENTE - MARCHEMOS com sabedoria, coragem ,com a Pátria no coração e na nossa Alma Lusitana, ao serviço do Povo Português!

EM FRENTE- MARCHEMOS POR PORTUGAL, PELOS PORTUGUESES - QUE SOMOS TODOS NÓS, OS QUE, SERVIMOS E VIVEMOS COM E PELA NAÇÃO

andrade da silva
soldado da Mátria e de Abril, à hora certa 22h55’ do dia 24 de Abril 74, à voz de comando da senha: “E DEPOIS DO ADEUS”

PS:

Contarão, sim, os actos. Mas as palavras têm de SER COMPROMISSOS, é um imperativo ÈTICO. logo... mas obviamente que... coisas... já conhecemos a realidade passada, nomeadamente o discurso de Paulo Portas e depois os actos, mas onde ESTAMOS E QUEM SOMOS NÓS?

                                                  FOTO

Almada Abril 74. No regresso a Vendas Novas íamos todos e connosco todo o povo de Almada e de Portugal.

sábado, 19 de março de 2016

PAI


Meu Pai! Que estás para além do horizonte e que tão pouco conheci, mas sei que eras profissionalmente cumpridor e honesto.

Nossos pais : o biológico e psicológico, o biológico e outrem o psicológico e para os crentes ainda - DEUS.

Podemos, assim, ter um pai, dois pais, ou três pais, ou mais, no caso de um casal homossexual se nenhum for o pai psicológico, aqueles podem ser só os pais de acolhimento/adopção e, ainda, haver um outro pai que seja o psicológico. Então, o que discutem?

Os pais juntamente com as mães, ou as mães juntamente com os pais são os grandes elementos da natureza.

Pais, filhos, mulheres, homens abraço-vos e beijo-vos de acordo com os costumes e os corações.

Aos pais, filhos, mulheres, humanidade dedico-vos o HINO DA ALEGRIA.

Meu pai, teu filho João

Abraço-te, se encontrares a minha mãe, mãe/pai, dá-lhe um beijo.

João



quinta-feira, 17 de março de 2016

FOTO DE HISTÓRIA





HONRA E GLÓRIA A ESTES GRANDES CAMARADAS MILITARES E AO POVO HEROICO DE VENDAS NOVAS.

A coluna de Estremoz, passa por Vendas Novas a caminho de Lisboa, onde, a EPA já estava postada no Cristo-Rei desde o amanhecer. Todavia a esta hora o heroico Povo de Vendas Novas já estava na rua ,e nada estava decidido. Esta coluna chegou por volta da hora do almoço ao Cristo -Rei e desempenhou um papel muito importante na proteção das Forças de Salgueiro Maia no Carmo..., nomeadamente cobrindo a sua rectaguarda

Foto do, então, Aspirante Miliciano Cordeiro (no jeep. Bem-hajas pela tua participação e por esta grande foto da História!.) que como diz participou em 2, 25 de Abril : o de 16 de Março 1974 e neste, o vero, em que o vemos. Escreveu:

Camarada, participei neste acontecimento histórico, o levantamento de 16 Março 1974, como Alferes Miliciano instrutor naquela unidade .

Independentemente de quem deu as ordens, sinto muito orgulho neste facto. Assisti, na sala de oficiais ao brieffing do Capitão António Ramos e acredito que ele estava convicto de que os outros quartéis convergiriam para Lisboa O nosso objectivo era o Aeroporto.

Estive detido em Sta Margarida de onde fui enviado para Cav 4 - Estremoz . Com essa unidade vim para Lisboa no 25 de Abril . Muito orgulho nisso também .

Fiz o 25 A duas vezes. . Sou o aspirante á frente no jipe. Saudações revolucionárias ,
Grande abraço .
..........

Aquele abraço caro camarada Mário Cordeiro

andrade da silva
soldado da Mátria e de Abril, à hora certa 22h55’ do dia 24 de Abril 74, à voz de comando da senha: “E DEPOIS DO ADEUS"
PS: Só hoje conheci esta foto.

16 MARÇO 1974: LEVANTAMENTO DAS CALDAS.


UMA VERSÃO DOS FACTOS

" A 16 de Março, apesar de originalmente estar prevista a participação de outras unidades militares, apenas o Regimento de Infantaria nº 5, das Caldas da Rainha, avançou para Lisboa, sob o comando do capitão Armando Marques Ramos.
Isolado, o seu avanço foi sustado por unidades leais ao regime já às portas de Lisboa, sem derramamento de sangue.
Cerca de 200 homens, entre oficiais, sargentos e praças, foram detidos. Os oficiais, encarcerados na Trafaria, foram libertados no dia 25 de Abril."

OUTRA VERSÃO

Mas ainda bem que as outras unidades não saíram, porque tudo aquilo seria o golpe dos spinolistas apadrinhado por OTELO, como os capitães, de então, Ramos e Varela claramente dizem.

Os camaradas Major Monge, Casanova Ferreira, capitão Varela e Ramos saíram da casa de Otelo, tendo recebido o Capitão Ramos a ordem de ir ás Caldas buscar a unidade que deveria vir sob o comando do Oficial mais antigo das Caldas, mas por razões de vária ordem ????? , o comando foi assumido pelo meu camarada Capitão Ramos, que há meia dúzia de anos disse numa conferência, aquando do lançamento de um livro de Filipe Papança, que ia publicar a vera história ?????? deste dia. A sua versão sempre foi contrariada por Otelo e pelo meu camarada Rocha Neves que sempre a colocou na rota do 25 de Abril ?????????

A Escola Prática de Artilharia depois do alerta transmitido ao oficial de prevenção, alferes Firmino Mendes, esteve sobre rodas para sair , devíamos para o efeito ter recebido a ordem de operações a ser-nos entregue por Otelo, ás 8h, mas nunca a recebemos,

Contudo, logo após este desaire, através do capitão Ferreira de Sousa reunimos secretamente os camaradas do MFA no hangar - junto ao polígono de tiro, a caminho do Lavre, que todos os artilheiros conhecem - para reconduzirmos o movimento dos capitães à rota certa.

A Escola Prática de Artilharia nunca esteve distraída, ou, pior, a dormir na forma, o que, voluntariamente se esquece, porquê?

Coisas que Portugal por culpa de muitos e pelo medo do debate, todo absorvido pelo contexto sufocante dos partidos, desconhece

Coisas!...

andrade da silva
soldado da Mátria e de Abril, à hora certa 22h55’ do dia 24 de Abril 74, à voz de comando da senha: “E DEPOIS DO ADEUS"

PS:
Neste dia estive sempre armado à espera da tal ordem para avançar, não chegou e o 25 de Abril aconteceu, e aconteceu, porque unidades importantes não deitaram a cabeça de fora, se o tivessem feito teriam sido decepadas, ou o resultado final seria diverso da aliança POVO-MFA;


Obviamente,  e  antes que um  impoluto chegue à frente e diga parece que foi assim, mas será que foi? Digo que só digo o que sei, e, tenho pedido a todos que se juntem em frentes a frentes para se tentar chegar à verdade possível, mas olhos nos olhos é o dizes, logo... sou um mero mensageiro... logo....



quarta-feira, 16 de março de 2016

"ALEMBRANDO" !!!!!!!!!!!!!........


HOUVE UMA REVOLUÇÃO EM PORTUGAL 1974/1975 E A CONTRA.REVOLUÇÃO 25 NOVEMBRO 75 a......

Naqueles tempos...... no Alentejo ...

                                                 Couço 1975 - Capitão Amílcar Rodrigues


era assim.- a Aliança Povo-MFA... e não só, mas também

                                               Cruzamento de Pegões/ Vendas Novas 1974


e, hoje, nas raras possibilidades que se deparam ainda o é....



                                                  Escoural/ Montemor o Novo 2014

Porque matam a história?

COISAS!.....

andrade da silva

soldado da Mátria e de Abril, à hora certa 22h55’ do dia 24 de Abril 74, à voz de comando da senha: “E DEPOIS DO ADEUS


Mãe do Casquinha, morto em 1979, aos 17 anos de idade, na Cooperativa do Escoural pela GNR. Foto 2014


Jaz o Casquinha e o Grito de sua mãe (1979