domingo, 30 de novembro de 2008

25 NOV.75 vs. 25 NOV.2008 - Uma resposta, 1ª. parte



Uma resposta (devida) ao meu querido amigo Andrade da Silva, ao seu artigo extraordinário, ao seu sentir patriótico e ao seu amor e dedicação sem limites pelo Povo Português.

Tem razão na sua desilusão e caberá aqui, com justiça, pela enésima vez: "não foi para isto que se fez o 25 de Abril de 1974"!

No meu conceito e em face das provas, irredutíveis, melhor fez a ditadura. Pelo menos não permitiu o "fartar vilanagem" desbragado dos dias de hoje. AOS AMIGOS E COMPADRES. SEMPRE!!!



AS VERDADES OCULTAS EM PORTUGAL

LISBOA, 21 sep (IPS)


- Indicadores económicos y sociales periódicamente divulgados por la Unión Europea (UE) colocan a Portugal en niveles de pobreza e injusticia social inadmisibles para un país que integra desde 1986 el 'club de los ricos' del continente.

Pero el golpe de gracia lo dio la evaluación de la Organización para la Cooperación y el Desarrollo Económicos (OCDE): en los próximos años Portugal se distanciará aún más de los países avanzados.

La productividad más baja de la UE, la escasa innovación y vitalidad del sector empresarial, educación y formación profesional deficientes, mal uso de fondos públicos, con gastos excesivos y resultados magros son los datos señalados por el informe anual sobre Portugal de la OCDE, que reúne a 30países industriales.

A diferencia de España, Grecia e Irlanda (que hicieron también parte del'grupo de los pobres' de la UE), Portugal no supo aprovechar para su desarrollo los cuantiosos fondos comunitarios que fluyeron sin cesar desde Bruselas durante casi dos décadas, coinciden analistas políticos y económicos.

En 1986, Madrid y Lisboa ingresaron a la entonces Comunidad Económica Europea con índices similares de desarrollo relativo, y sólo una década atrás, Portugal ocupaba un lugar superior al de Grecia e Irlanda en el ranking de la UE.

Pero en 2001, fue cómodamente superado por esos dos países, mientras España ya se ubica a poca distancia del promedio del bloque.'

La convergencia de la economía portuguesa con las más avanzadas de la OCE pareció detenerse en los últimos años, dejando una brecha significativa en los ingresos por persona', afirma la organización.

En el sector privado, 'los bienes de capital no siempre se utilizan o se ubican con eficacia y las nuevas tecnologías no son rápidamente adoptadas', afirma la OCDE.'

La fuerza laboral portuguesa cuenta con menos educación formal que los trabajadores de otros países de la UE, inclusive los de los nuevos miembros de Europa central y oriental', señala el documento.

Todos los análisis sobre las cifras invertidas coinciden en que el problema central no está en los montos, sino en los métodos para distribuirlos.

Portugal gasta más que la gran mayoría de los países de la UE en remuneración de empleados públicos respecto de su producto interno bruto, pero no logra mejorar significativamente la calidad y eficiencia de los servicios.

Con más profesores por cantidad de alumnos que la mayor parte de los miembros de la OCDE, tampoco consigue dar una educación y formación profesional competitivas con el resto de los países industrializados.

En los últimos 18 años, Portugal fue el país que recibió más beneficios por habitante en asistencia comunitaria.

Sin embargo, tras nueve años de acercarse a los niveles de la UE, en 1995 comenzó a caer y las perspectivas hoy indican mayor distancia.

Dónde fueron a parar los fondos comunitarios?, es la pregunta insistente en debates televisados y en columnas de opinión de los principales periódicos del país.

La respuesta más frecuente es que el dinero engordó la billetera de quienes ya tenían más.

Los números indican que Portugal es el país de la UE con mayor desigualdad social y con los salarios mínimos y medios más bajos del bloque, al menos hasta el 1 de mayo, cuando éste se amplió de 15 a 25 naciones.

También es el país del bloque en el que los administradores de empresas públicas tienen los sueldos más altos.

El argumento más frecuente de los ejecutivos indica que 'el mercado decide los salarios'. Consultado por IPS, el ex ministro de Obras Públicas (1995-2002) y actual diputado socialista João Cravinho desmintió esta teoría.

'Son los propios administradores quienes fijan sus salarios, cargando las culpas al mercado', dijo.

En las empresas privadas con participación estatal o en las estatales con accionistas minoritarios privados, 'los ejecutivos fijan sus sueldos astronómicos (algunos llegan a los 90.000 dólares mensuales, incluyendo bonos y regalías) con la complicidad de los accionistas de referencia', explicó Cravinho.

Estos mismos grandes accionistas, 'son a la vez altos ejecutivos, y todo este sistema, en el fondo, es en desmedro del pequeño accionista, que ve como una gruesa tajada de los lucros va a parar a cuentas bancarias de los directivos', lamentó el ex ministro.

La crisis económica que estancó el crecimiento portugués en los últimos dos años 'está siendo pagada por las clases menos favorecidas', dijo.

Esta situación de desigualdad aflora cada día con los ejemplos más variados.

El último es el de la crisis del sector automotriz.

Los comerciantes se quejan de una caída de casi 20 por ciento en las ventas de automóviles de baja cilindrada, con precios de entre 15.000 y 20.000dólares.

Pero los representantes de marcas de lujo como Ferrari, Porsche, Lamborghini, Maserati y Lotus (vehículos que valen más de 200.000 dólares), lamentan no dar abasto a todos los pedidos, ante un aumento de 36 por ciento en la demanda.

Estudios sobre la tradicional industria textil lusa, que fue una de las más modernas y de más calidad del mundo, demuestran su estancamiento, pues sus empresarios no realizaron los necesarios ajustes para actualizarla.

Pero la zona norte donde se concentra el sector textil, tiene más autos Ferrari por metro cuadrado que Italia.

Un ejecutivo español de la informática, Javier Felipe, dijo a IPS que según su experiencia con empresarios portugueses, éstos 'están más interesados enla imagen que proyectan que en el resultado de su trabajo'.Para muchos 'es más importante el automóvil que conducen, el tipo de tarjetade crédito que pueden lucir al pagar una cuenta o el modelo del teléfono celular, que la eficiencia de su gestión', dijo Felipe, aclarando que hay excepciones.

Todo esto va modelando una mentalidad que, a fin de cuentas, afecta al desarrollo de un país', opinó.

La evasión fiscal impune es otro aspecto que ha castrado inversiones del sector público con potenciales efectos positivos en la superación de lacrisis económica y el desempleo, que este año llegó a 7,3 por ciento de la población económicamente activa.

Los únicos contribuyentes a cabalidad de las arcas del Estado son los trabajadores contratados, que descuentan en la fuente laboral.

En los últimos dos años, el gobierno decidió cargar la mano fiscal sobre esas cabezas, manteniendo situaciones 'obscenas' y 'escandalosas', según el economista y comentarista de televisión Antonio Pérez Metello.

'En lugar de anunciar progresos en la recuperación de los impuestos de aquellos que continúan riéndose en la cara del fisco, el gobierno (conservador) decide sacar una tajada aun mayor de esos que ya pagan lo que es debido, y deja incólume la nebulosa de los fugitivos fiscales, sin coherencia ideológica, sin visión de futuro', criticó Metello.

La prueba está explicada en una columna de opinión de José Vitor Malheiros, aparecida este martes en el diario Público de Lisboa, que fustiga la faltade honestidad en la declaración de impuestos de los lamados profesionales liberales.

Según esos documentos entregados al fisco, médicos y dentistas, los arquitectos declararon dingresos anuales promedio de 17.680 euros (21.750 dólares), los abogados de 10.864 (13.365 dólares) 9.277 (11.410 dólares) y los ingenieros de 8.382 (10.310 dólares).

Estos números indican que por cada seis euros que pagan al fisco, 'le roban nueve a la comunidad', pues estos profesionales no dependientes deberían contribuir con 15 por ciento del total del impuesto al ingreso por trabajo singular y sólo tributan seis por ciento, dijo Malheiros.

Con la devolución de impuestos al cerrar un ejercicio fiscal, éstos 'roban más de lo que pagan, como si un carnicero nos vendiese 400 gramos de bife y nos hiciese pagar un kilogramo, y existen 180.000 de estos profesionales liberales que, en promedio, nos roban 600 gramos por kilo', comentó con sarcasmo.

Si un país 'permite que un profesional liberal con dos casas y dos automóviles de lujo declare ingresos de 600 euros (738 dólares) por mes, año tras año, sin ser cuestionado en lo más mínimo por el fisco, y encima recibe un subsidio del Estado para ayudar a pagar el colegio privado de sus hijos, significa que el sistema no tiene ninguna moralidad', sentenció.


Relatório colhido de entidade oficial fidedigna.


Jerónimo Sardinha

30Nov.08

sábado, 29 de novembro de 2008

A CONVERGÊNCIA DE ESQUERDA É UM IMPERATIVO DE ABRIL E DA DEMOCRACIA



Nenhum partido à esquerda do PS é, por si só, uma alternativa eleitoral à Governança de direita. Como em 2009, o que vai haver são eleições, para se sair da actual situação de grave injustiça, que é diferente da superação do capitalismo, que obviamente não está no seu leito de morte, é preciso uma ampla convergência de pensamento e acções entre os verdadeiros democratas , os que prosseguem os ideias de Abril, e que nunca traíram o POVO, falando verdade e defendendo a liberdade, a igualdade de direitos, a fraternidade entre as pessoas e os povos, a cultura do mérito, o humanismo e o amor.

Consequentemente, como creio que sempre estive em todos os combates pela vida do 25 de Abril e pela superação das graves injustiças entre os cidadãos portugueses, mas também entre os do mundo e entre as nações do Norte e do Sul, sou um defensor de uma nova e global solução para Portugal e para o Mundo, assente numa nova liderança baseada nos valores de sempre, na inteligência e no aprofundamento da democracia.

A democracia é actualmente uma mera palavra decorativa, poucos têm um comportamento democrático internalizado, a maioria dos líderes partidários consideram-se donos das pessoas e dos pensamentos dos militantes, e esmagam toda o pensamento divergente, honesto, criativo e democrático.

Salazar deixou a semente totalitária no pensamento e na acção dos portugueses. É uma terrível herança perpetuada de um modo quase universal por todas as organizações: partidárias, sindicais, profissionais, culturais e até filantrópicas. Portugal é um ventre sempre prenhe, para dar à luz a ditadorezecos.

Não havendo, de momento, uma alternativa global que carece de um novo pensamento e uma diferente avaliação da história na perspectiva da igualdade, da liberdade, da fraternidade e da justiça social, compete, na minha opinião, aos que defendem Abril, a Democracia e o desenvolvimento saudar os movimentos dentro do PS que O procuram libertar do capitalismo selvagem, do neo-liberalismo em que caiu, e exigir à esquerda do PS que se pronuncie com toda a clareza sobre o que pretende e que ideologia a anima.

Não fará qualquer sentido dizer-se protagonista de uma mudança de esquerda e socialista dentro do PS, e não se demarcar de malformações sociais, como é o património do Spinolismo, porque nunca foi uma corrente de pensamento ou de acção democrática, sempre foi uma corrente antidemocrática com um forte pendor arbitrário e totalitário. Obviamente que uma esquerda do PS que não se afaste de uma certa e pesada herança do PS neo-liberal, não é alternativa, nem alternância a coisa nenhuma. É um embuste, uma mentira.

Todavia se os movimentos da esquerda do PS forem sinceros na sua opção de esquerda, e promoverem a convergência de Esquera, devem ser saudados e não combatidos. De igual modo os sociais-democratas do PSD devem ser encorajados a alterarem a relação de poderes dentro do PSD, de modo a que os neo-liberais formem com Santana Lopes e outros o partido liberal, limpando a social-democracia do vírus do capitalismo selvagem que nos tem conduzido ao fascismo social, conforme Boaventura Santos tem referido.

Numa palavra: VIVA A JUSTA LUTA DOS COMUNISTAS, DA ESQUERDA DO PS E DE TODOS OS DEMOCRATAS no que têm de humanista, de liberdade, de justiça social, no sentido de porem cobro à ganância e ao capitalismo selvagem.



andrade da silva 28 Novembro 08

quinta-feira, 27 de novembro de 2008


MATADOR DE PRETOS E HERÓI DA DEMOCRACIA

Em memória das vitimas

Fogo! Fogo!
Lá vai aço de hélio-canhão.
Caem:
Duas crianças;
Três velhos;
Quatro mulheres.
Eram filhos, pais, putas dos terroristas,
Pretos,
Valem exactamente umas medalhas
E um novo galão
Para o matador.
Salazar declara-o herói.
É um Herói.


Deixou de haver pretos para matar,
Frustração.
O inferno de Novembro
Trazia as manhãs cheias de desejo
De limpar a Pátria de comunas.
Piores que os turras pretos.
O chefão não aprovou
A ementa de sangue e barbárie.
Mas ele, é O Herói da Democracia,
O matador, bêbado de álcool,
Mas sobretudo de sangue

Malditos! Que GFP!

andrade da silva 26 Novembro o8

PS: Este texto nada tem de real. É uma mera alucinação da senilidade que morre no deserto das gentes, dos pensamentos e da coragem.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008



O Monstro


Que voz o silêncio em eco levanta
Tremenda feroz gelada sombria
Que nos fecha a mão
nos cala a garganta
E torna a manhã gélida,
mais fria
Que vozes de túmulo
Há tanto caladas
Levantam ao cúmulo
O pavor dos dias
E tornam opacas
As brandas paisagens
E tornam as noites tredas
E vazias
Quem anda por dentro
Dos sonhos que temos
Semeando algemas
Que são dessa cor
Em que se amalgamam
Os prantos as penas
Nesse sofrimento
cada vez maior
Em nome de quem
Que monstro severo
Traz em seu sudário
De horrendo luzir
As asas cortadas
Do loiro canário
Que livre pelos ares
Ouvíamos rir
Quem é que nos chega
do mundo dos mortos
com baba de réptil
colando-se em nós
e faz sementeira
no solo que fértil
construímos limpo
sem peias nem pós
na ronda dos dias o povo
cantava
cantando bailava
bailando não via
que o monstro rasteiro
pelos ares espalhava
essa pestilência
de que ele vivia
enquanto a manhã
não amadurar
a luz que se infiltra
nos olhos ao fundo
o monstro escondido
ainda tentará
cobrir de seu bafo
o tempo perdido
e calar o Mundo.




Marília Gonçalves

terça-feira, 25 de novembro de 2008

OS RUIS, OS OUTROS E O 25 DE NOVEMBRO 1975



Caro Jerónimo


A pergunta sobre onde estava o sr. RUI Patrício no 25de Abril 74, era mesmo para lembrar que o sr. estava todo borrado, e, agora, fala de alto. Todavia o " o grande-cidadão" devia ter dado a vida na defesa da Nação, ao vê-la derrotada. Não o fez, como o seu dever de ministro e “patriota” salazarento, o impunha, foi cobarde, borrou-se, o que, é humano, mas hoje, devia ser bem mais discreto. Seria um acto de dignidade e inteligência.

O sr. é importante não por ele, mas por aqueles de que vai sendo porta-voz. Ele fala da ditadura sem ser com ironia. A sra. dra. Ferreira Leite fala do mesmo com ironia, e a grande Roseta só comenta o facto, dizendo que a sra. Presidente do PSD teve uma falha, uma mera falha, será? E o Sr. Salgado Matos apresenta o manual de como evitar golpes militares, com a receita de um caudilho e uma guarda pretoriana, paralelamente, a maior marca-de-água desta democracia é a corrupção. Logo todas as cartas do baralho estão presentes, só falta o Joker gamado.

Tenho também muito presente o modo enfurecido e encolerizado como o General Fabião dizia, numa Assembleia do MFA, que se tinha de julgar o fascismo, PARA O QUE SERIA NECESSÁRIO MESMO DESENTERRAR O PRÓPRIO SALAZAR.

Era, ainda, muito jovem, mas sendo o general quem era, desde sempre, a cólera daquele homem calmo, tocou-me como o maior sinal da impotência daquele regime.

Havia muita bagunça no 25 de Novembro é certo, agora, também há, e ainda uma roubalheira, corrupção gigantescas, enfim, uma grande desordem económica, financeira e jurídica que só não levará à dissolução do Estado e à revolta, ou mesmo à insurreição, por causa do escudo protector da União Europeia. É preciso ainda referir que o calcanhar de Aquiles da economia americana, ou seja, haver uma massa de dinheiro muito superior à riqueza produzida está, também, presente em Portugal, onde, se continua a viver num Mundo virtual, o da completa independência da esfera financeira da económica. Isto, ainda pode acabar mal, se os países ricos da UE se cansarem de andarem a apoiar quem anda a viver muito acima das suas possibilidades.
Então, porque tudo está a acontecer, deve fazer-se um golpe militar em aliança com a extrema direita?

De qualquer modo a grande confusão e as cenas iniciais da guerra civil no período do 25 de Abril foram feitas pela direita, pelo ELP, pelo MRRP e por alguma esquerda radical com os assaltos às sedes dos partidos, embaixadas, atentados bombistas, roubos, sabotagem económica etc. Ora quem estava a destruir o Estado objectivamente era esta gente.

Todavia imaginou-se um golpe comunista, e fez-se um golpe contra a chamada esquerda militar, mas também contra tudo e todos, sobretudo os operários que tivessem outra ideia de organização social e economicamente diferente da capitalista selvagem, nomeadamente no Alentejo, quanto à imperatividade das terras serem semeadas com as sementes mais adequadas para darem pão e emprego.

Concordaria com o repor a autoridade do estado no sentido progressista do 25 de Abril, mas o que aconteceu foi no sentido da maioria silenciosa e do 11de Março, ou seja, do marcelismo e dos srs Ruis Patrícios, e é deste ponto que me afasto dos avós da actual situação, sobretudo porque o actual estado de coisas não é um mero acidente de percurso, foi desejado e procurado.

Meu caro Jerónimo

Provavelmente os chamados para pegarem em canhotas para se defenderem do golpe comunista em 25 de Novembro foram enganados, nestes primórdios das guerras preventivas e, então, como hoje, as provas aduzidas foram falsas.

Não acredito, quer por mim, quer por muitos outros que houvesse no Exército uma disponibilidade significativa para acompanhar o PCP em qualquer golpe, ora o mesmo não acontecia em relação ao PS, ao qual o Exército forneceria e forneceu, ao que parece, armas, e tinha o claro e manifesto apoio dos nove. Nesses idos todo o PS encheu as paredes de Évora com a frase "PEZARAT AMIGO, O POVO ESTÁ CONTIGO".

Que não foi retomado em 25 de Novembro, o 25 de Abril, a cabal prova está na ocupação Militar do Alentejo por forças da GNR, armadas com material de guerra ligeiro e pesado, cães e cavalos, as dezenas de feridos e mordidos e dois assassínios, um deles, o de um jovem de 17 anos. No Escoural, os pais do jovem e outros, sabem como eles morreram, e sabem que pela aplicação da Lei Barreto o Alentejo regressou ao latifúndio fascista, ponto. Isto é o 25 de Novembro.

Outras histórias tem o sr. vice –rei do norte para contar, e vai contá-las em livro, a publicar no aniversário desta data histórica, em que um punhado de homens do 25 de Abril fizeram a mais trágica aliança das suas vidas com a direita e a extrema direita, para combaterem todas as pessoas de esquerda proponentes de uma nova ideia de sociedade, o que levaram a cabo com inaudito empenho e eficiência ao longo destes 33 anos, deixando o país num verdadeiro deserto de coragem e dignidade. Esta é para mim a verdadeira história do 25 de Novembro que nos trouxe ao actual estado de inanição. Agora, aceitamos tudo, tudo mesmo, tão passivamente como os torturados e os escravos.

No 25 de Novembro 75 fraquejou a vontade de ser livre de um modo diverso do oferecido pelo capitalismo e pela URSS, venceu a semi-democracia e foi pena. Eu próprio estava disposto na nova situação emergente do 25 de Novembro a dar um contributo no Alentejo para corrigir os erros cometidos que fui resolvendo, conforme deles tomava conhecimento, mas mais seria impossível com uma equipa de 3 elementos e um Mercedes 180, e, aqui, começou a sabotagem do comandante da região à acção do GDR, órgão do MFA, responsável pela dinamização. Nada foi feito por acaso.

Fui, nestas circunstâncias, interpelado pelo comandante da região quanto à existência de duas regiões militares no Sul, a que comandava e outra que existiria segundo aquele sr., comandada informalmente por mim, e que englobaria a quase totalidade dos soldados, oficiais e sargentos milicianos e muitos oficiais do QP, onde, havia contradições entre os apoiantes e amigos do comandante da região. Um dos quais me dizia que como cidadão concordava comigo e que como capitão não. Ao que lhe perguntava como resolvia o dilema, o que ficou sempre sem resposta. Mas este capitão foi até à sua morte um grande camarada e amigo.

Mas aqui fica mais uma prova de que se queria mesmo avançar, após o 25 de Novembro, com os militares que no decurso do 25 de Novembro pediram a prisão imediata, sem dedução de qualquer acusação, do Gen Fabião e Otelo, como era o caso do capitão Moura do regimento de Estremoz que tanta trabalheira nos deu e, me deu, ( foi assim) para entrar no 25 de Abril, e nesta data bastante se atrasou, sendo muito pontual na saída do quartel em 25 de Novembro 75, do que dei conhecimento ao COCPON, cujo comandante, o Gen.Otelo, tinha ido para algures, para evitar a guerra civil – extraordinária atitude de evitar tragédias, cavar.

Julgo que de tudo o que restou desta tragédia, o único factor positivo foi entrada de Portugal na União Europeia . Julgo que se isso não tivesse acontecido estaríamos no 24 de Abril. Penso que este acto foi a correcção possível que os pais do 25 de Novembro legaram ao país e, nisto, foram dignos, reconheço-o e concedo-o


andrade da silva 25 Novembro de 08. Aniversário de um dia de má memória
PS: (em tempo) Pela manhã de hoje o Rádio Clube, a VOZ DA LIBERDADE do 25de Abril, ouviu, segundo eles, um dos heróis do 25 de Novembro, o sr. cor. Jaime Neves, que disse que foi uma asneira o sr. Melo Antunes ter defendido o PCP. Mas sobre este pensamento já estamos fartos de o conhecer, o que o país precisaria de saber é sobre os planos, as intenções, sobre as prisões arbitrárias, por exemplo não fui preso, segundo o, então, ten-Cor Galamba de Castro, por intervenção directa do Gen.Eanes, mas ainda mais grave, não houve planos, ideias, desejos de fuzilamentos, nomeadamente quanto à coluna dos presos enviados para Custóias, de facto chegaram lá, mas.... Ninguém sabe nada, puxa!...
Do deserto "com" Cristo e "como"( as aspas de Mcain) Cristo gritamos o silêncio, enfim....

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

05 - POEMÁRIO - No cais da solidão




A chaga aberta dói e sangra tanto,
ainda que no tempo passem anos!...
Do chão do nada, a custo já levanto
a safra de aflições e desenganos.

No peito, o coração, teimando, bate!...
Teimando, bate, bate, e não se cansa!
Nem dor nem desalento o sonho abate
dos cravos desta pátria em esperança!...

Dos fastos e desastres, a memória
de um povo erguendo a pátria à dimensão
da gesta humana em páginas de História!...

E neste cais de outono e solidão,
que fado nos impede agora a glória
de ousar no pátrio chão mais um padrão?



José-Augusto de Carvalho

24 de Novembro de 2008.
Viana * Évora * Portugal

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

OBVIAMENTE, SR. RUI PATRÍCIO, O 25 de ABRIL FOI A AUTO-DERROTA DA NAÇÃO.



No 25 de Abril 1974 o país estava nos primeiros lugares da Europa em desenvolvimento humano, tinha a maior taxa de alfabetização da Europa, era um dos países com a economia mais sólida, maior número de doutorados por 1000 habitantes, um dos maiores graus de industrialização, a mais baixa taxa de mortalidade infantil, em todas as casas havia água, luz, saneamento básico, reinava a maior paz e portugalidade em todas as colónias, contrariamente à França não foi preciso uma guerra de libertação para se criar um espaço cultural e económico da lusofonia, englobando o PORTUGAL CONTINENTAL, O ADJACENTE E O COLONIAL, e, ainda, havia para todos proteger das maldades morais a polícia de costumes e dos comunistas a polícia política: A PIDE. Tudo gente bondosa que através da persuasão, com chocolate e doces procuravam conduzir ao redil os tresmalhados.

Tudo era paz, felicidade, luz, FUTURO E LIBERDADE. Todos veneravam e amavam o Ditador iluminado.

Com o 25 de Abril passou a haver mais fome no país, mais desemprego, iniciou-se uma guerra em África, os letrados passaram a analfabetos, fecharam-se as universidades, os transportes passaram a ser feitos de carroça, nunca mais houve eleições, a comunidade intencional sucessivas vezes tem condenado o país na ONU, ficamos completamente isolados, embora, nos últimos anos a aliança estratégica entre o Sr. Durão Barroso e o Sr. Bush tenha melhorado a situação portuguesa.

Obviamente que neste quadro o Sr. Rui Patrício tem toda a razão, e diz o óbvio. A ditadura fascista era a salvação da Pátria, como o foi durante 40 anos em Portugal e noutros países, como no Chile.

A loucura do 25 de Abril só podia ser o Alcácer-Quibir dos tempos modernos para Portugal. Só que agora nem tudo está perdido, há muitos salvadores disponíveis para governarem o país em ditadura.

Mas este Sr., onde, afinal estava no 25 de Abril 74? Será que também quer uma ditadurazinha por 3 meses?

E bugiar, não seria um bom desporto para curar saudosismos totalitários? Mas parece que acham que é melhor chatearem e dizerem que estão vivos. Agora, já não se borram de indignidade e trampa.

Daqui, do Deserto, proclamo: SE AINDA HÁ PESSOAS QUE NÃO ENTENDERAM O QUE FOI O 25 de NOVEMBRO, COMO PODERÃO ENTENDER O PRESENTE?!...

Porque será que nunca quiseram julgar o fascismo, como o General Fabião tantas vezes proclamou ser absolutamente vital, no que pessoalmente sempre o acompanhei, mas o facto é que não se julgou o Monstro, porquê?

Asilva 20 Novembro de 08, daqui a pouco é 25 de Novembro.

quinta-feira, 20 de novembro de 2008


MENSAGEM RELÂMPAGO (ZULU)

ALERTA VERMELHO . PERIGO IMINENTE
Antigo ministro da ditadura, Sr. Rui Patrício, diz que:
25Abril 74 foi auto-derrota da Nação.
Amanhã segue DECLARAÇÃO.
A todos os Patriotas se apela à reflexão:
Democracia aguentará
?...

ONDE VAI ISTO PARAR ?

Resisti inicialmente a "entrar de cabeça" no problema da Madeira, na expectativa de que o bom senso, a idoneidade e a compreensão da responsabilidade para com os eleitores e o Povo em geral, impusesse uma solução inteligente e democrática. Infelizmente, na sequência do que há muitos anos vem sendo habitual, tal não foi possível e descambamos no "circo" que todo o País viu.
Para colmatar o que já estava muito mal, a Senhora
que Presidencía os destinos do partido que dita
ordens naquelas paragens, vem afirmar, pública e despudoradamente, que a democracia deveria ser suspensa, para ela arrumar a "casa" (Portugal).
Não é desmentível, não carece de contexto, não tem justificação nem desculpa. Eu, como milhões de portugueses e muitos milhões em todo o mundo, vimos em directo e ouvimos em stéreo.
Assim, o meu pudor foi anulado e a minha perseverança vencida pelos factos e pelos actores.
Aqui está pois !



«Os plenários da Assembleia Legislativa estão adiados com excepção dos trabalhos das Comissões Especializadas devido a um incidente com o deputado único do PND-M, José Manuel Coelho, que quarta-feira exibiu uma bandeira nazi numa acção de protesto contra a situação política na Madeira que caracterizou de "fascista".»
In JN.


Mas afinal, o que foi que disse o deputado José Manuel Coelho, do PND,
na intervenção que acabou por despoletar este "vendaval" todo?
Confesso que me dei ao trabalho de transcrever:
(sic AS)
(...)
PRESIDENTE (Miguel Mendonça): Muito obrigado, Sr. Deputado. Para uma
intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado José Manuel Coelho.
JOSÉ MANUEL COELHO (PND): Excelentíssimo Senhor Presidente da
Assembleia, Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados. Há 34 anos
estava eu no Batalhão de Caçadores 5, em Lisboa, a tirar a
especialidade de Transmissões de Infantaria e na noite de 24 para 25
de Abril, pela uma hora da madrugada, o corneteiro tocou na caserna os
instrumentos de transmissões de infantaria. Estava a nascer o 25 de
Abril. Estou a ver esse dia como se fosse hoje. Nós saímos ajudar as
tropas operacionais do Batalhão de Caçadores 5 para a revolução do 25
de Abril que estava em marcha.
Burburinho.
Saímos para a rua, ocupámos o Parque Eduardo VII, prendemos a PSP,
prendemos a GNR, prendemos os PIDES que a população indicava, que
perseguiam a população portuguesa.
Burburinho geral.
Tive esse grande privilégio de assistir ao nascimento da democracia em
Portugal. Agora, desta tribuna, eu queria perguntar aos
Excelentíssimos Senhores Deputados Coito Pita e Tranquada Gomes onde é
que eles estavam quando veio o 25 de Abril? Queria perguntar a Sua
Excelência o Senhor Presidente da Assembleia, que toda a vez que eu
vou lá falar com ele me diz "porte-se bem, porte-se bem, está
continuamente a me dar lições de moral", eu queria perguntar ao
Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia onde é que ele estava
quando se deu o 25 de Abril? Eu vim para a minha terra confiado que ia
ser instaurada a verdadeira democracia nesta terra. Assistimos ao
nascimento da autonomia, ao Parlamento autonómico, e eu pensava que
tínhamos um Parlamento democrático, pensava que o Partido Social
Democrata que era um partido democrático…
Burburinho geral.
…mas comecei por verificar que realmente não era bem assim. O Partido
Social Democrata tinha alguns que eram verdadeiros sociais democratas,
mas os chefes desse partido não eram sociais-democratas, os chefes
desse partido eram reaccionários, eram fascistas, nomeadamente o seu
chefe mor, o Dr. Alberto João Jardim.
Protestos do PSD.
Burburinho.
PRESIDENTE (Miguel Mendonça): Srs. Deputados, eu pedia um pouco mais
de silêncio.
José Manuel Coelho: Em 1977, participei nas campanhas da APU e depois
verifiquei que havia pessoas dentro do PSD, mandatadas pelo chefe, o
chefe fascista, que recebiam ordens para me assassinar. Eu tive três
presidentes de câmara do PSD que receberam ordens de Alberto João
Jardim para tirar a minha vida, para me matar! Eu uma vez ia às
sessões da câmara, no tempo do Paulo Jesus, e as sessões da câmara
foram transferidas para a parte da tarde e veio um familiar do Roberto
Almada, do Deputado Roberto Almada, falar comigo dizendo assim:
"Coelho, você não vá às sessões da câmara na parte da tarde porque
eles vão matá-lo, o João da Sorte vai vir e vai-lhe dar um tiro e você
vai ser assassinado" e eu deixei de ir às sessões da câmara. Para
comprovar aquilo que o familiar ali do meu camarada dizia, em 1980,
estávamos numa campanha, pela APU, em Gaula, quando esse famigerado
João da Sorte, acompanhado dos capangas do PSD, faz-me um raio para me
assassinar. Eu consegui fugir. Eles deram seis tiros num camarada meu,
da altura, esse camarada ainda está vivo, o camarada Manuel Teixeira,
esse camarada levou seis tiros. Em recompensa por esse serviço
prestado ao regime, esse senhor que deu os tiros, o João da Sorte, tem
hoje uma rua com o seu nome, no Caniço. Isto não são brincadeiras, não
são fait-divers, são verdades! Passou-se comigo. Eu já tive três
presidentes de câmara que tentaram me tirar a vida, mandatos pelo
chefe fascista, o Alberto João Jardim. Eu actualmente quando vendo o
Garajau muitas pessoas dizem-me: "olhe, tome cuidado que o Jaime Ramos
pode matá-lo, pode mandar alguém assassiná-lo".
Sem dúvida que nós não vivemos num regime democrático! Nós vivemos num
regime ditatorial que está disfarçado numa social-democracia, porque o
Partido Social Democrata daqui da Madeira não é o mesmo Partido Social
Democrata do Continente, é um partido que não respeita a democracia, é
um partido que se puder, mata os democratas.
Por isso, eu vim a esta Casa para ajudar o combate do Prof. João
Carlos Gouveia, que é preciso derrubar o regime, deitar abaixo este
regime facínora e reaccionário, porque o maior perigo que há para a
democracia é o conformismo, é as pessoas se acomodarem, os democratas
se acomodarem, porque as forças reaccionárias comandadas pelo líder
fascista desta terra a pouco e pouco vão tirando as liberdades. Só no
espaço dum ano e meio já reviram… vão rever… já reviram portanto o
Regimento três vezes! Vão tirando as liberdades. A pouco e pouco os
democratas vão cedendo, vão cedendo. Só que não se devem esquecer duma
coisa: é que as grandes ditaduras da História evoluíram a partir das
democracias parlamentares e foi a cedência dos democratas, o
conformismo. Os democratas foram cedendo num ponto, foram cedendo
noutro até que democracias parlamentares evoluíram para sanguinárias
ditaduras. Temos um exemplo disso em Portugal, no Estado Novo, que
também evoluiu duma democracia parlamentar e tornou-se uma ditadura
sanguinária. Eu lembro-me do dramaturgo alemão Bertolt Brecht, quando
ele dizia, falando sobre o conformismo que se apoderava dos
democratas: "a indiferença é o maior perigo, o maior inimigo da
democracia" – dizia Bertolt Brecht, em 1933…
Burburinho.
…que… vieram ter junto dum democrata e disseram: "olha, estão
prendendo os comunistas". Eu não me importei, porque eu não era
comunista! Depois disseram-me: "oh! estão prendendo os sindicalistas"
e eu também não me importei porque não era sindicalista. Depois "estão
prendendo os sacerdotes, os padres", eu também não me importei porque
não era padre, mas depois, tempos depois "ah! mas já estão a
prender-me, já estão a levar-me" e não havia já nada a fazer, meus
amigos!
Portanto, nós temos aqui um Regimento que é atentatório das liberdades
democráticas do 25 de Abril, da autonomia, dos ideais de Abril e já é
tempo dos democratas desta terra dizerem "basta!", pôr um travão a
esta situação. Não é suficiente ir a Tribunal Constitucional. Está nas
nossas mãos hoje, aqui e agora, os democratas, os partidos da oposição
desta Casa travar esta ofensiva reaccionária e antidemocrática deste
regime jardinista. Basta apoiarem a iniciativa do meu partido,
abandonarem este Parlamento, deixarem os parlamentares do PSD falar
sozinhos, no seu regime antidemocrático, abandonarem! Não é preciso ir
para o Tribunal Constitucional! Nós hoje, se quisermos, podemos fazer
o 25 de Abril nesta terra! Podemos boicotar este Parlamento! Podemos
sair, abandonar esta Assembleia e fazer trabalho político lá fora.
Burburinho.
Escusa de a gente estar aqui a legitimar esta gente, esta gente que
atenta constantemente contra a democracia, contra os direitos de
Abril, meus amigos. Os partidos da oposição têm uma palavra a dizer,
porque se não tomarem uma atitude firme contra esta gente reaccionária
vai acontecer aquilo que aconteceu ao Bertolt Brecht… aquilo que dizia
o Bertolt Brecht: a democracia, quando verificarem, já não têm
democracia. Nós actualmente já não temos liberdade de expressão…
Protestos do PSD.
Antigamente, um deputado nesta Casa…
Burburinho na bancada do PSD.
…não era julgado por delito de opinião, agora já é!
Protestos do PSD.
Temos um deputado nesta Casa, um grande camarada, um grande lutador
que é o Paulo Martins que está a ser julgado nos tribunais por um juiz
fascista e vai ser condenado por esse juiz fascista, meus amigos! Não
tenham dúvidas!
Burburinho.
Hoje, é o Paulo Martins! Ontem foi o Leonel Nunes que foi condenado
por outro juiz fascista. Amanhã será qualquer um de vós. Meus amigos,
é preciso combater esta gente reaccionária, esta gente que é contra
Abril, esta gente que é contra a autonomia, esta gente quer a
ditadura, quer tirar duma vez as liberdades, as poucas liberdades que
nós temos neste Parlamento, porque estes senhores do PPD/PSD eles não
são sociais democratas, estão travestidos, estão camuflados de sociais
democratas, mas eles ao fim ao cabo são da extrema-direita, são
fascistas, são pessoas viradas para o 24 de Abril!
Burburinho na bancada do PSD.
Lembrem-se que esta Casa nunca teve a honestidade de celebrar o 25 de
Abril. Sempre odiaram o 25 de Abril. Nunca nesta Casa foi celebrado o
25 de Abril, por ordem do chefe fascista supremo que manda nesta
terra, que nunca se converteu à democracia. Eu acho que é altura dos
democratas dos partidos da oposição perderem a sua passividade e
tomarem uma atitude firme. E essa atitude firme, na nossa opinião, não
será ir ao Tribunal Constitucional, é fazer o 25 de Abril aqui mesmo,
abandonar esta Assembleia, fazer o trabalho político lá fora, deixar
eles a falar sozinhos para mostrar ao País inteiro o sistema
antidemocrático que se vive aqui nesta Madeira, porque é preciso ver o
verdadeiro regime. O verdadeiro regime que governa esta terra não é o
regime democrático, é o regime nazi fascista do populista Alberto João
Jardim.
Protestos do PSD.
Burburinho geral.
Portanto o regime deles, meus amigos, é este! (Neste momento, o
deputado desfralda uma bandeira nazi.) O regime desses amigos, destes
amigos do Partido Social Democrata é este…
PRESIDENTE (Miguel Mendonça): Sr. Deputado…
Protestos do PSD.
José Manuel Coelho (PND): É este regime, é o regime do nazi fascismo do Hitler…
Protestos do PSD.
PRESIDENTE (Miguel Mendonça): Sr. Deputado, faz favor…
José Manuel Coelho (PND): São eles, são atiradores deste regime…
Protestos do PSD.
PRESIDENTE (Miguel Mendonça): Faz favor de retirar a bandeira…
José Manuel Coelho (PND):…eu trouxe esta bandeira para oferecer ao
líder do PSD, o Jaime Ramos…
PRESIDENTE (Miguel Mendonça): Estão suspensos os trabalhos.
José Manuel Coelho (PND): …esta bandeira é para oferecer a ele! Esta
bandeira é para oferecer a este covarde, este traidor da Madeira, este
fascista…
PRESIDENTE (Miguel Mendonça) Eu pedia uma reunião de líderes desde já (...)"

Esta é, verdadeiramente, a farsa de democracia que nos saíu em sorte.
Jerónimo Sardinha
20Nov.08

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

MENSAGEM RELÂMPAGO (ZULU): SEIS MESES DE DITADURA, QUE DISPARATE !




Sra. Dra. Ferreira Leite e porque não 40, 60, 100 ou mil anos? E já agora, porque não seguir o exemplar, exemplo, da China, com uns milhares de assassinatos judiciais e muitos mais extra-judiciais?

De facto isto da democracia é um estorvo, dá para os pé descalços terem voz e os ricos e os amigos dos ricos tornarem-se cada vez mais ricos, sobretudo de uma forma muito limpa, sem qualquer corrupção.

Ainda hoje, quando o Jerónimo me referia o fascismo amarelo, made in China, falava eu do fascismo branco que depois do negro nazi, começava a despontar na Europa, e dizia que entre nós não faltavam personagens para desempenhar o papel de ditador. Será que tive mais uma premonição?

Ou tudo isto é uma mentira do dia 1 de Abril retardada, ou estamos mesmo a viver um pesadelo. Depois de um ataque à homossexualidade lá vem a Sra. Dra. com a solução final - um ataque generalizado à Democracia.

Nenhum ditador depois de tomar o gosto pelo poder abandonou-o sem antes ter gozado toda a luxúria do poder absoluto. Salazar ficou 40 anos, Franco décadas, Estaline outro tanto. A Mussolini e Hitler para os mandar embora foi preciso uma guerra Mundial.

A Sra. Dra. Ferreira Leite fala pouco, mas quando fala deixa tudo à banda, mas só anunciou o que um membro do seu partido já faz na Madeira, há muitos anos, com o aplauso do Sr. Presidente da República e da Assembleia da República, e outros, tantos, pensam e desejam.

Todavia a Sra. Dra. esqueceu-se que em ditadura não seria ela a ditadora, nem o seu partido. Neste momento, há quem esteja melhor posicionado, muito bem junto à meta. Veja lá Sra. Dra. se os lembra a se chegarem um pouco mais à frente e ultrapassam mesmo a linha divisória, rasgando a Constituição.

Recorde-se sempre deste aviso ou alguém seu amigo que lho transmita. Pode isto ser uma profecia. Há coincidências….

Andrade da silva 18 Nov. 08

LUZ

Cada parto foi um porto
Cais da vida ancoradouro
à Sombra dum país morto
Nasceu meu menino de ouro.
Nasceu entre mãos de esperança
No meu grito de ternura
Quando dei cada criança
Ao país da noite escura.
Mas cada parto trazia
O meu grito de certeza
Cada vida que nascia
Era uma semente acesa
Uma luz que começava
à beira do corpo sonho
E que crescia e cantava
A terra livre do sono.
Era um olhar de criança
A ver a fímbria da vida
A espelhar a confiança
Sobre a água acontecida.
Era mar de movimento
No início da montanha
A soltar asa de vento
Em cada cantiga estranha.
Era ainda uma criança
Acabada de nascer
Que para o futuro lança
Olhar de homem de mulher.
Cada parto cada porto
Cada cais cada cidade
Cada sorriso absorto
Despertava à claridade.
Porque uma criança traz
No ventre da madrugada
O caminho para a Paz!
Porque uma criança tem
No primeiro eco da vida
A imagem que sustém
A viagem conseguida.

Cada parto foi um porto
Um país uma cidade
A escrever em cada corpo
Pra sempre fraternidade.


Marília Gonçalves

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

OBAMA ENTRE A AURORA, O IMPÉRIO E O CAOS




DECLARAÇÂO: “Admiro mais Spartacus do que os filósofos Sócrates e Platão,
porque aquele descobriu a indignidade da escravatura e os
grandes pensadores não. Conheço as explicações. Mas não as
aceito. Será ridículo e estúpido, mas é assim.


Admiro ainda Jesus Cristo, Mandela, Ghandi, Camões, Bocage e a
coragem de D. Afonso Henriques e a do Tenente Machado dos
Santos, e ainda o sacrifício dos que, com as suas vidas, libertaram
Portugal da Realeza e do fascismo, destes últimos, somente os
generosos que nunca sonharam, ou quiseram qualquer ditadura.


Isto para dizer que não partilho de nenhuma Obamania, ou de
outra qualquer obsessão, por quem só falou, mas fê-lo de um modo
diferente e o Mundo ouviu, quiçá, de um modo ainda muito mais
d iferente e interpretou as atitudes e os discursos de acordo
com os seus desejos mais fundos, e é desta realidade que quero
falar em termos sociológicos, políticos e psicológicos”.




Obama é, segundo a minha opinião, o Homem que desde há muitos, muitos anos, mesmo, tem as melhores condições políticas, comunicacionais, semióticas e psicológicas para ser um fundador de uma nova filosofia de ser cidadão e de exercer a cidadania, quer na circunstância de líder, quer na de liderado.

A sua vitória significa, em primeiro lugar, um profundo desejo de humanização dos métodos mais brutais do capitalismo, num momento inicial ao nível da América. Mas se Obama e os que o acompanham descobrirem a dimensão mais sublime da natureza humana que é dar-se ao outro, ultrapassará, por certo, a dimensão caseira e lançar-se–à na liderança planetária, guiado pelas bandeiras do desenvolvimento, da paz, da igualdade de direitos, da fraternidade e da liberdade.


A afirmação de retomar os princípios constitutivos dos EUA, quanto à defesa das liberdade dos povos, para ser consequente, tem de promover e estimular a igualdade, eliminando em muito a desigualdade que, nas actuais sociedades, a condição de nascimento do pobre determina, convertendo a liberdade num artefacto sem conteúdo, ou seja, de um modo imoral, inaceitável todos são livres, mas alguns só conhecem esta liberdade para morrerem de fome e doença.


Para quem morre de fome, disenteria de muito pouco lhes serve serem livres, quando a sua situação é em termos de sobrevivência pior que a dos escravos no esclavagismo.


Objectivamente são múltiplos os sinais de que se Obama quisesse poderia quase ser o fundador a nível Mundial de uma nova religiosidade amigável, por oposição à da violência, para a promoção da bondade e do belo. Contra esta transcendente força, se mobilizada, nenhum dos actuais governos de pigmeus se atreveria a opor. Procurarão sim, por todos os meios, instrumentalizar Obama para a preservação do império, o que se for recusado poderá conduzir o Presidente eleito dos EUA à situação de mártir.

Todavia a teia e a alcateia dos interesses capitalistas e dos grandes banqueiros não deixarão de tentar executá-lo se sair das malhas, e talvez o façam de um modo menos evidente do que com Kennedy. Se a Tragédia acontecer será com um processo bem mais familiar e muito mais difícil de se atribuir a um atentado.


Mas para Obama vir a ser este líder, como julgo que pode e os sinais são muitos, a revelarem as condições objectivas e únicas para isso, é importante que os melhores entre os melhores o acompanhem.

Sabemos de um modo indiscutível que a história é feita muito das circunstâncias objectivas, mas alguns autores individuais, quando querem deixar a sua marca no devir, mudam páginas e livros da história secular, foi já assim na China, e na Rússia, entre outros países.


Resta saber o que realmente quer Obama fazer, porque o que pode, segundo a regra das probabilidades, todos sabemos, seria continuar o Império, mas isto também pode não querer, e, ainda mais, pode ser estimulado a não querer, e ser contrariamente apoiado para mudar a América e o Mundo, para o que será determinante que se reúna de pessoas como Hillary Clinton.


Será também imperativo que as pessoas bondosas e sábias se aproximem dele, muito antes dos grandes banqueiros, do governo universal do Mundo e de personagens, como Durão Barros. Se estes chegarem primeiro e o instrumentalizarem, podemos, então, assistir à mais tenebrosa descida aos infernos.

Obama pode ser o fundador de algo que ultrapassa muito a esfera do politico, e projecta-se na do sagrado, do imaginário, do psicológico, pelo que se quiser e não o matarem, ou instumentalizarem no sentido da preservação do Império, o mundo pode estar no limiar da humanização do capitalismo, ou mesmo de uma nova era. A história oferece-lhe possibilidades que vão muito para além do que uma pessoa mediana pode realizar. Só um ser de excepção estará à altura dos desafios com que o mundo interpela Obama e todos nós.


Será Obama este cidadão Universal que o novo milénio precisa, espera e até já se cansa de esperar, podendo mesmo entrar em caótico desespero?


Não há Messias, mas há homens com condições objectivas e subjectivas particulares para no pensamento ou na acção darem novos dias e possibilidades de Governança ao Mundo. Temos pensadores como Marx e homens de Acção, como os Fundadores da América. Obama saberá ou, sequer, quererá aproveitar este Mundo quase a seus pés para a construção da bondade e da justiça?


Penso, no entanto, que se Obama não se arrojar nesta possibilidade da transcendência, e ficar pela mediania rotineira da gestão do Império, então, a politica dificilmente terá salvação, e cada vez mais se assistirá à descrença Universal da democracia, dos homens e das Instituições, o que, tornará o Mundo num campo cada vez mais pocilga, profícuo à prática da barbárie, da tortura, da exploração dos países do sul, conduzindo milhões de homens para o mais profundo desespero que se não for organizado no sentido da superação desta realidade social, conduzirá multidões à turbulência caótica, violenta e cara em vidas, mas sem outros resultados que não sejam os genocídios, por ora limitadas, com a nossa cumplicidade, ao sacrificado continente Africano.

Pode o seu sangue impulsioná-lo para um papel só comparável ao dos grandes lideres da História na área politica, mas também filosófica e religiosa, e, se assim for, estaremos no dealbar de uma nova aurora da civilização. Se Obama limitar-se a seguir a rotina da defesa do Império tudo fica adiado para um dia no futuro, através da luta sofrida de milhões.


Mas se ainda quiser explorando a sua vitória no plano sociológico e psicológico, e usando a manipulação aprofundar mais, e mais, as crueldades do capitalismo e do Império, então, vamos descer aos infernos, e a luta, pelos Direitos Universais do Homem e pela correcção das disfunções capitalistas, será ainda mais difícil, porque, apesar dos muitos erros e contradições que cometa, Obama será amado com paixão por muito tempo, e até que os olhos vejam os erros de quem se ama, muita dor acontecerá.


Na minha perspectiva o mais belo e importante seria que Obama olhasse um Mandela, um João XXIII, um Luther King e um Gandhi, e voltasse a pôr em todas as agendas internacionais a defesa dos direitos humanos e da vida da Terra como prioridades fundamentais e indiscutíveis, e que todos os prevaricadores fossem declarados inimigos da humanidade, e como tal julgados e condenados no plano moral, social e jurídico, pelo tribunal da opinião pública mas também pelo Tribunal Penal Internacional.

Sei que é pedir demais a um homem, mas ele pode connosco operar esta mudança que o 3º milénio deseja, espera e pode alcançar.

Porém se tudo falhar nos EUA, que, pelo menos, entre nós, em 2009, se quebre a maldita cadeia do rotativismo e da semi-democracia neo-liberal em que temos vivido, após o 25 de Novembro de 1975.


Que com força se mude a Governança no sentido da JUSTIÇA SOCIAL, DA LIBERDADE, DA FRATERNIDADE, DA PAZ, com novos autores individuais e colectivos.


Que a opinião pública não capitule e que os democratas não permitam que os partidos identificados com a social-democracia continuem vergonhosamente a capitular, perante o neo-liberalismo feroz e desumano.


Se quisermos podemos alcançar estes objectivos, animados pelo exemplo que vem dos EUA, onde, alcançar ou realizar qualquer objectivo de humanismo ou mudança é muito mais difícil que entre nós.

andrade da silva 11Novembro 2008



sábado, 15 de novembro de 2008

IMORAL E MISERÁVEL TRAIÇÃO A ÁFRICA





Amanhã há eleições muito perigosas na Guiné. Este país irmão caíu numa das mais trágicas decadências, em que um povo e um estado se podem encontrar.

Para além da profunda crise democrática em que este país vive há muitos anos, o facto mais trágico dos últimos tempos é que a sobrevivência de muitas famílias depende do narcotráfico.

Quando o Estado não tem possibilidades de satisfazer os seus compromissos sociais desde o pagamento de salários e outras prestações sociais, é evidente que os corruptos agarram-se ao negócio da droga para enriquecerem e os miseráveis para sobreviverem.

É muito significativo que a preocupação portuguesa e da comunidade internacional se limite a uma fiscalização, ao modo como as coisas vão correr quanto à ida das pessoas às urnas, o que, além, de ser um acto muito pouco eficaz, porque a democraticidade das eleições não se reduz ao acto formal de votar, contrariamente, tem muito mais a ver com todos os demais procedimentos a montante, responde sobretudo a um sentido de desculpabilização da comunidade internacional, para poder dar como encerrado o dossier Guiné, logo que proclame ao Mundo que as eleições foram democráticas.
Infelizmente a realidade é outra. Todos sabem que as ditaduras, a corrupção, a eliminação física dos adversários existem e continuam impunes, em muitas das tais ditaduras ditas democráticas, pela comunidade internacional, o que quer que isto seja.

Seria muito importante que os tribunais internacionais averiguassem, a fundo, a responsabilidade e os responsáveis do narcotráfico na Guiné e noutros países.

Seria importante saber-se a quem serve este crime, e em que escala está a ser usado pelos próprios estados para cumprirem as suas funções, e de uma forma mais evidente, para permitirem a riqueza criminosa dos seus apaniguados, e depois submetê-los à justiça internacional. Esperemos que a América de Obama seja conquistada para esta ideia.

Que a GUINÉ E O POVO DA GUINÉ VENÇAM.


MAIS UMA VEZ ÁFRICA- CONGO



Uma vez mais, cobarde e miseravelmente, o Mundo e a humanista Europa fecham os olhos à tragédia do Congo, será que esperam um novo Darfur? Esperam que o incêndio de vidas fique incontrolável para mandarem os bombeiros, ou nem sequer isso, como imoralmente tem acontecido em Darfur?

Os negros são pobres e miseráveis, e os que sobreviverem, vão ficar mais pobre e miseráveis. Todavia neste cálculo diabólico, talvez se considere uma vantagem global para a estabilidade e segurança do sistema capitalista mundial, aqueles milhões de negros – os tais pretos de sempre - que morrerem, porque deixarão de ser problema.Amanhã não invadirão os países do norte à procura de pão, o que dá aos governantes do Norte toda a vantagem para nada fazerem, perante a nossa indiferença que se passeia graciosamente pelos centros comerciais , como se o mundo fosse luzes de néon, chocolate de leite e esbeltas e eróticas mulheres.

MALDITOS! MISERÁVEIS! COMO É POSSÍVEL VIVER NESTA ESPELUNCA SEM GRITAR E VOMITAR?

andrade da silva 15 Nov. 08


05 - POEMÁRIO * Verbo





Desceu o verbo em luz. E as sombras, noite e treva,
cederam seu lugar a raios deslumbrados.
Do fundo da caverna, o espírito se eleva
e os longes ganha, aquém e além, iluminados.

Horizontes de espanto! Enleios de aventura
rasgaram os grilhões e os passos hesitantes
ensaiam, infantis, anseios de procura,
por campos de trigais maduros e ondulantes.

Princípio é este tempo --- o verbo conjugado!
A fome e a sede --- e viva a graça da alvorada,
numa conjugação de massa levedada
e vinho novo --- claro e livre --- embriagado!

E o tempo é todo o tempo o verbo que anuncia
o fim da sombra --- a luz que raia e aquece --- o dia!





José-Augusto de Carvalho
Viana do Alentejo * Évora * Portugal
(In baú do esquecimento)

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

A GRANDE CONSTRUÇÃO DA POCILGA LUSA.




Os arquitectos de uma nova noite escura, nas penumbras que o longínquo 25 de Novembro 75, no respeito pelos interesses da América de Kissinger, da Alemanha e da Espanha Franquista, abriu, encontraram a equação quase perfeita para um regresso a um dado tipo de totalitarismo pós moderno que à semelhança de outros, seria referendado em eleições formalmente democráticas.

Entre nós, porque somos, quem somos, esta equação também tem uma expressão pobre, pantanosa e quase miserabilista, mas para os portugueses ela contem um grau máximo de destruição, na senda das perspectivas que o acto libertador do 25 de Abril afirmou.

Ei-la:

BPN (nacionalização dos prejuízos em nome doa trabalhadores, privatização dos lucros em beneficio dos banqueiros e indemnizações por terem levado dolosamente os bancos à falência) + BCP+ UNIVERDIDADE MODERNA E INDEPENDENTE + FUTEBÓIS+ CONSTRUÇÃO CIVIL E CÂMARAS + PARLAMENTO DA MADEIRA + NEGÓCIOS INVISÍVEIS + VENCIMENTOS ESCANDALOSOS DOS GESTORES + ABSOLVIÇÃO DE GENTE PODEROSA QUE ANDOU A SER JULGADA DURANTE ANOS E ANOS, PORQUE AFINAL SE ABOTOOU SOMENTE COM 177,€ ( Não estão a gozar connosco?) + TRÁFICO DE INFLUÊNCIAS + BUROCRACIA + PROPAGANDA POLÍTICA + TRABALHO SEM DIREITOS + PARAÍSOS FISCAIS + MENTIRAS + PSEUDO NACIONALIZAÇÕES + PARTIDOS SILENCIADOS = PORTUGAL NO SEU MELHOR=VERGONHA, IGNOMÍNIA, IMORALIDADE.

Estamos atacados da peste suína. Os vírus das pocilgas matam-nos. Ou resolvemos este pântano que se deteriora, e vai a caminho da construção da maior pocilga lusitana, ou a democracia cairá sem honra.

Mas de tudo o que acontece, nomeadamente na Madeira, onde, vigora um regime semi-democrático, referendado em eleições, a putativa classe política e jornalística de Portugal só teve olhos, mãos e ouvidos para condenarem um deputado Madeirense que chamou a alguns dos seus colegas o que muitos pensam que eles são. Portugal tem muitos Salazaristas da tendência Rolão Preto e nazis, a quem vergonhosamente o Portugal livre cumprimenta e dá honrarias e prebendas.

Todavia quanto a um vasto leque de crimes, de que se fala e investiga com inspectores da judiciária, magistrados do Ministério Público, Juízes de Instrução e tudo fica sem punição, ou porque os crimes prescreveram, ou por insuficiência de prova, o que acontece quase sempre nos casos em que os advogados, com passe para as TV, são os defensores, pouco ou nada se diz.

Mas quanto à impunidade dos grandes, porque não confia o Estado a acusação àqueles advogados, e dispensa os magistrados do ministério público que nunca conseguem provar que os poderosos cometeram crimes graves, mas contrariamente fazem sempre irrefutável prova dos crimes dos larápios menores?

Parece que vivemos num Universo de cobardes em que todos nas tabernas, em casa, nos lugares protegidos, debaixo das latadas, à meia noite no pinheiral, e quando não há lua dizem tudo, e do pior que há, desta gente e propõem medidas extremas, mas nunca dão a cara onde há risco, e curvam a cerviz perante tão nojentos pig’s. Eles têm dinheiro, muito dinheiro, dinheiro nosso, mas são somente e sempre pig´s.

Tudo isto é um vómito. O País está a ficar uma náusea, nauseabunda. Levantemo-nos oh moribundos, antes que os ares fétidos da putrefacção da moral, da dignidade e da honra nos destruam!

Perante tanta vergonha não entendo porque, os heróicos avós desta merdice, os beneméritos do 25 de Novembro, não vêm, seguindo o exemplo do impotente deputado regional da Madeira, nus para as Ruas gritarem BASTA.

“As TV estariam lá, seriam outra vez falados, e, agora, por boas razões, e tudo poderia mudar, o Sr. Presidente a República interviria, o governo levaria em boa conta, o Povo veria os corpos desnudados de quem se fala. Fazia-se mais uma página de história à século XXI, com a marca de àgua de made in USA”.

BASTA DE TANTO PÂNTANO E POCILGA!

andrade da silva 2008-11-10

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

UM GRITO DE DESESPERO

Pelo opróbio que representa, pelo humilhante que é, pela indignação que sinto, reproduzo a carta abaixo, sem mais comentários.
Não receberá tratamento de texto, porque não o precisa e acima de tudo nao o mereceria.
Peço que pensem, todos, todos nós, se foi para isto que quisemos uma coisa chamada DEMOCRACIA.
Pelo menos, saibamos ser dignos dela.





... militares portugueses derrubaram ...


Exmº Sr. Presidente da República

V. Ex.ª não me conhece, sou apenas mais uma cidadã, esposa, mãe, portuguesa e trabalhadora. Sou esposa de um militar das Forças Armadas Portuguesas.
Nunca quis saber de politiquice, nem sou sensível a estas áreas que pouco ou nada me dizem.
Há cerca de um mês, uma situação tocou a minha sensibilidade feminina. Um colega do meu marido, um Sargento do quadro permanente das Forças Armadas, levava uma vida normal, numa família normal. Quis o destino que esse militar fosse operado a um cancro. Heroicamente, como que a fazer jus ao seu espírito militar, rapidamente recuperou, após ter superado um ataque cardíaco e a morte de um familiar.
Poucos meses depois, veio o golpe fatal: à esposa, na casa dos 40 anos de idade, foi-lhe diagnosticado um cancro de difícil solução.
A vida normal, sem luxos que nunca tivera, nem privilégios apontados por quem ignora a realidade do que é ser militar, perdeu sentido.
O meu marido e outros colegas de trabalho, aperceberam-se que o infortunado Sargento no activo, não dispunha de 150 € para adquirir fraldas que contivessem a sua incontinência urinária. O choque emocional misturou-se à revolta pelo facto do Estado não apoiar um militar no activo, Sargento, que jurou defender a sua PÁTRIA mesmo com sacrifício da própria vida.
Num acto de sã camaradagem, descobriram o seu NIB e rapidamente entre todos, conseguiram fazer depósitos - donativo, caridade, como lhe queiram chamar - de modo a que não passasse privações imediatas nem ele, nem a esposa doente, nem os filhos em idade escolar. O célebre sistema de apoio à doença dos militares (ADM), que alguns ou porque desconhecem ou porque são maldosos, dizem ser uma regalia e um privilégio, está a dever as comparticipações a este Sargento, no activo, desde Março, forçando-o a passar cheques pré-datados que são aceites, graças ao facto de ser conhecido na sua localidade como pessoa de bem, honesta e trabalhadora.

Sr. Presidente da República, V. Ex.ª é a única esperança neste país onde se perdeu a esperança nos políticos, pois que poucos são os que os levam a sério.

Sr. Presidente da República, V. Exª é o Comandante Supremo das Forças Armadas e decerto que saberá tomar uma decisão que o legitime perante os seus homens como tal.

É revoltante ver os militares continuarem a ser achincalhados, ignorados, usados e terem de recorrer à caridade entre eles próprios.

Sr. Presidente da República, não seria mais digno, mais honesto, acabar com as Forças Armadas?

Mal vai um país onde o poder político ignora as suas forças armadas, não as defende, faz discursos de circunstância e deixa-as na realidade ao abandono.
Será legítimo esperar que esses militares que entregaram o poder aos civis e que pacientemente vêem tantos desmandos, fiquem calados e quietos?
quero acreditar que V. Exª será o catalizador da esperança, da resolução imediata de problemas gravíssimos que os militares estão a passar, como dificuldades, cortes na comida, cortes em tratamentos, atirando-os para o abismo do desespero...

Maria Antónia Freitas
(Leiria)

terça-feira, 11 de novembro de 2008




Confiança Ilimitada,
Supressão das expectativas,
Vigilância constante,
Espírito de entreajuda,
Vida resgatada.

Agradável alimento,
Amarra firme,
Suave unguento
.


Filipe Papança

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

A QUESTÃO MILITAR NÃO É UMA "QUARTELADA". É UM GRAVE SINTOMA DE PROFUNDA DOENÇA DA DEMOCRACIA.




Qualquer instabilidade num dos principais pilares da credibilidade externa de um Estado que tem Forças Armadas constituídas, como é o caso de Portugal, é de uma gravidade extrema que não pode ser iludida, e tanto mais o é, quando estamos em democracia e na História Portuguesa a intervenção militar na resolução dos problemas nacionais ocupa um lugar de destaque.

A simples proposição de acções de militares para a resolução dos seus problemas ou dos nacionais em democracia é chocante, porque ou revela que as Forças Armadas seriam antidemocráticas, ou que as Instituições Democráticas estariam a violar o seu pacto constitutivo – A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA – não vendo outros motivos de fundo, creio que a problemática é tão grave e séria que interpela o POVO, e, particularmente, o CHEFE SUPREMO das FORÇAS ARMADAS, o SR. PRESIDENTE DA REPÚBLICA.

Todavia interessaria analisar sob uma óptica política, mas também sociológica o que se tem passado, e que poderemos numa primeira abordagem esquematizar do seguinte modo, apesar de todo o esforço que os sucessivos governos e muitos dos chefes militares têm feito para transformar a totalidade dos militares nuns meros executantes técnicos e acríticos das ordens de operações, o que têm conseguido em larga escala, mas nunca o poderão obter de um modo total, como pretendem, porque isso é contra natura, como vou procurar demonstrar.

A Instituição Militar é Nacional, não é um corpo estranho à Nação, e não é uma guarda pretoriana, e apesar da competição nem sempre justa que um anacrónico e inválido regulamento de avaliação do mérito veio trazer para o seu seio, faz parte do seu ADN e da sua cultura Organizacional respeitar os valores finais que fazem parte do nosso ideário: a verdade, a lealdade, o comportamento honesto.

Estes valores finais são tão importantes para o País que o próprio salazarismo, em parte, permitiu e fez mesmo algum esforço para que, apesar das vicissitudes politicas, aqueles valores fossem resguardados na Instituição Militar, como reserva da Nação, para fazer face a qualquer crise que pudesse fazer perigar Portugal, como a Pátria independente e soberana dos Portugueses. Foi este caldo de cultura e valores que contra o sucessor de Salazar permitiu o 25 de Abril, e já tinha permitido o 5 de Outubro e o 28 de Maio.

Os estudiosos do novo regime nascido pós 25 de Novembro analisaram bem esta matéria, segundo o ângulo sociológico, quiçá psicológico, e julgaram que convertendo a Instituição Militar numa organização de técnicos pouco valorizados socialmente e distantes das questões da cidadania que os reduziriam a um corpo de funcionários que trabalhariam dentro dos quartéis, com umas saídas relativamente bem remuneradas ao estrangeiro, e que, assim, tudo estaria resolvido, isto é, fariam o que bem entendessem com os militares. Tudo poderia ter resultado de feição, mas este raciocínio tem falhas científicas, morais e do conhecimento concreto da realidade militar graves.

Ao nível sociológico esqueceram-se que a Instituição Militar é nacional, está dentro do corpo da nação como os peixes dentro de água, e que ainda a maioria dos militares do Exército e, provavelmente, da Marinha e da Força Aérea são oriundos dos grupos sociais que trabalham, sofrem e pagam a crise; esqueceram-se ainda que na reserva e na reforma encontram-se os militares do 25 d Abril que não podiam aceitar umas Forças Armadas acéfalas e não defensoras da Constituição, militares estes que têm laços de camaradagem com os militares do activo, o que, os influência, e finalmente só pode haver Forças Armadas se houver um mínimo ético que as suporte, e neste contexto os níveis de corrupção e impunidade a que se chegou em Portugal e o regabofe na Administração do património público, não podem deixar nenhumas Forças Armadas indiferentes, sobretudo quando elas próprias são vitimas desse descalabro.

Em conclusão o descontentamento nas Forças Armadas não deve ser olhado só como uma questão de DESCONTENTAMENTO NOS QUARTÉIS, MAS COMO UM DOS MAIS GRAVES SINTOMAS DA DOENÇA GRAVE QUE ESTÁ A VITIMAR A DEMOCRCIA PORTUGUESA, OU SEJA, A CORRUPÇÃO E A IMPUNIDADE PARA OS PODEROSOS E UM ALTO E INSURPOTÁVEL SACRIFÍCIO PARA A MAIORIA DOS PORTUGUESES DE QUE FAZEM PARTE OS MILITARES HONESTOS E PATRIOTAS.

Certo na VITÓRIA DA DEMOCRACIA E DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA QUE, DE UM MODO UNIPESSOAL, O CHEFE SUPREMO DAS FORÇAS ARMADAS, O SR. PRESIDENTE DA REPÚBLICA, JUROU CUMPRIR, A TODOS OS LEAIS CAMARADAS E COMPANHEIROS SAÚDO, E JULGO QUE O POVO PORTUGUÊS PODE CONFIAR NO PATRIOTISMO E ESPÍRITO DE RESPEITO PELA CONSTITUIÇÃO DOS MILITARES PORTUGUESES, HONRADOS E LEAIS SERVIDORES DO INTERESSE PÚBLICO INTERNA E EXTERNAMENTE.

andrade da silva 10 Nov. 08
PS: 10 Novembro, segundo a lembrança, da ANA cumprimentemos e saudemos todos os nossos amigos e pessoas queridas, para todas e todos, beijos e abraços, segundo o uso e os costumes.




"NUNCA ME ESQUEÇAS"

Quando é?

Sempre no dia 10 de Novembro


O dia em que se celebra o "Forget Me Not" (não me esqueças. Nunca), é um dia em que se recorda a família, os amigos e os mais queridos.

Porque não usar este dia para entrar em contacto com aqueles que já não vemos há uns tempos? Não queres que eles te esqueçam, pois não??

A origem deste dia vem da Alemanha, data do século 15. Era suposto que quem usasse esta flor não fosse esquecido pelos seus amores.

A lenda diz ainda que nos tempos medievais, um cavaleiro estava a passear com a sua “mademoiselle” ao longo do rio, e resolveu apanhar um ramo de flores. Devido ao peso da sua armadura acabou por cair ao rio. Ao mesmo tempo que se ia afundando, ia mandando flores do seu ramo para a sua amada e ia gritando “forget me not” (não me esqueças, nunca!…)

Esta é uma flor que é associada ao romance e a destinos trágicos.

Era usada frequentemente por mulheres apaixonadas como sinal de fidelidade e de amor eterno.

Também foi relatada na piedosa lenda que o menino Jesus, sentado ao colo de Maria, disse que desejaria que as futuras gerações pudessem ver os seus olhos. Ele tocou-lhe nos olhos e passou a sua mão pelo chão, e imediatamente aparecerem as flores azuis “forget me not”, daí o nome “forget me not”.

Há também neste dia quem tenha o hábito de enviar sementes destas flores aos seus amigos e queridos.


ANA RUTE
10.Nov.08

domingo, 9 de novembro de 2008

13 - REFLEXÕES DE G.F. * Gooooolooooo!...



O jornal Correio da Manhã, de Lisboa, na sua edição do passado dia 6 deste decorrente mês de Novembro, publicou uma notícia subordinada ao título Craques pagos a peso de ouro.


Ora, eu sou pouco ou nada informado nestas coisas do mundo do pontapé na bola. Ouço dizer, vagamente, no estafado diz-se... que por lá se auferem salários e se obtêm prémios e prebendas que ascendem a quantias muito para além da decência, atendendo, naturalmente, à situação económico-social que se vive. Evidentemente que sei que neste paraíso de democracia capitalista a máxima que impera é cada um safa-se como pode ou qualquer outra do mesmo género. Mas mesmo sabendo ou supondo saber das leis deste paraíso, confesso ter ficado chocado com os salários divulgados.


Em Portugal, os salários irão de 150.000 a 75.000 euros. Apenas os salários. E esta situação ocorre num país onde o salário mínimo nacional não atinge 450 euros. E, ao que parece, tudo bem como dantes, quartel-general em Abrantes. Ninguém diz nada de nada; as estações televisivas são um regabofe de notícias do pontapé na bola; a estação televisiva estatal permite-se abrir telejornais com o futebol, democraticamente. Certamente por isso, durante o bafiento salarazismo nunca a tal se permitiu. Uma vergonha nacional. Mas há mais. Façamos, com maldade, umas continhas:

Um salário de 450 euros x 14 meses = 6.300 euros

6.300 euros (total de 1 ano) x 40 anos = 252.000 euros.


Chegados aqui, verificamos que há em Portugal quem aufira por mês o que a esmagadora maioria dos trabalhadores ganharia quase em toda uma vida activa de labuta.

Esta é uma das vergonhas que todos fingem ignorar.

Esta é, entre outras, uma vergonha deste povo-país!



9 de Novembro de 2008.
Gabriel de Fochem
*
Ilustração de José Dias Coelho, assassinado pela PIDE.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

05 - POEMÁRIO * O rimance lusíada




--- Para Jerónimo Sardinha ---





Sopra o vento de feição.
É o tempo da largada.
É um lençol o mar chão.
A praia está apinhada.

Ao sabor da viração,
dança a barca engalanada.
Tanto povo em ovação
à gesta determinada!

Entre tanta animação,
que é de azáfama a jornada,
ultima a tripulação
a manobra da largada.

Já desliza a barca ousada.
Mas o povo em ovação
torna mais determinada
a aventura da nação.

Içadas todas as velas,
ruma a barca ao mar profundo!
Por mais rijas as procelas,
não irá o sonho ao fundo!

Num adeus, chapéus e lenços,
entre lágrimas, se agitam,
enquanto os sonhos suspensos
na barca ousada acreditam.

E a barca lá vai, num grito
de ansiedade e de evasão,
enfrentar, sem medo, o mito
do temido Cabo Não!

E depois encontra as ilhas,
que chamam de afortunadas,
de gentes e maravilhas
iguais às aqui deixadas.

E segue, num frenesim!
E redondo encontra o mundo!
E é, desde princípio a fim,
sonho que não vai ao fundo.




José-Augusto de Carvalho

7 de Novembro de 2008.
Viana*Évora*Portugal

Do livro em preparação: Do mar e de nós