domingo, 26 de dezembro de 2010

O PENSAR DE UM CAPITÃO DE ABRIL

O PORTUGAL SUBMERSO MEXE-SE (I)
Uma clarificação, face ao comentário de Marília ao texto:
Portugal Submerso Mexe-se”

Nas actuais eleições não fiz, com o texto “ O Portugal Submerso Mexe-se”, nenhum apelo a qualquer candidato Presidencial para desistir. Não tenho qualquer dado que me permita saber nas presentes circunstâncias se qualquer decisão desse tipo melhor servia Abril e a democratização da Democracia. Só sei, que é importante não haver abstenções, nem votos brancos ou nulos, do lado mais identificado com Abril, e, que, portanto, neste campo as várias alternativas a Cavaco da Silva são fundamentais.
Todavia no caso de haver uma 2ª volta, como seria desejável para bem de Portugal, o mais provavelmente, ou quase certo, é que a disputa seja entre Cavaco da Silva e Manuel Alegre, e, este, será, então, nestas eleições a trincheira de Abril, onde, todos os identificados com uma perspectiva de esquerda da sociedade terão de votar, ou esperarem melhores dias, para fazerem a revolução, o que, não me parece muito viável, ou serem submersos pela conspiração da Banca Internacional que encontra no FMI, no BCE, na União Europeia, na Sra. MerKel e Sr. Sarkozy os mandantes e têm encontrado até agora nos governos e presidentes de Portugal, Grécia, Espanha e Irlanda fieis seguidores, e quanto a isto não há grandes dúvidas, ponto.
Tenho sérias dúvidas que, de acordo com os resultados de todas as eleições presidências anteriores, sem uma estratégia de centro-esquerda global, empenhada em descobrir um concidadão Português, impoluto, independente, corajoso, inteligente, culto, um verdadeiro Democrata de Abril seja possível sair da cepa torta de direita.
Nestas eleições as cartas estão lançadas, e é muito importante ouvir Defensor Moura a dizer objectivamente, chamando os bois pelos nomes, que Cavaco da Silva não é impoluto, não é imparcial, nem tem combatido a corrupção que rondou um dos conselheiros de Estado - o Sr. Dias Loureiro - que manteve a sua confiança até muito tarde, como é importante que os demais candidatos o co-responsabilizem pela actual situação.
Tudo isto é importante, mas é essencial CONQUISTAR PODER nas instituições, porque Portugal não é a Grécia, onde, já se fizeram SETE GREVES GERAIS e há MUITOS MILHARES DE PESSOAS NA RUAS etc. etc. etc., e nesta conjuntura a luta dos povos, das classes média-média, média- baixa, trabalhadores e povo em geral é muito importante.
Todavia a análise sociológica e politica objectiva revela que a greve geral em Portugal abrangeu muitos elementos da classe média-média que fazem greve e vêm para a rua com a esquerda, os independentes e os militantes e simpatizantes do PCP e BE, mas depois o seu voto de protesto é no PSD, para castigar o PS, e mais tarde será no PS, para castigar o PSD, e, assim sucessivamente.
Esta é a questão que a esquerda do PS, PCP, BE e independentes têm para resolver, e sem conjugarem esforços de um modo global não será possível ultrapassar o rotativismo. O resto é a repetição da história destas décadas de democracia que podem acabar numa descrença total do sistema democrático, e, neste caso, perdem Portugal, os Portugueses e todos os democratas de todos os partidos.
Em conclusão nestas eleições todos os dados estão no terreno, consequentemente, o que proponho é uma estratégia global a ser preparada, desde já, para as eleições que se seguem, de acordo até com o exemplo de Manuel Alegre, com o Movimento Independente de Cidadãos. Estratégia de vitória que pensando no Futuro deve emergir da cidadania, através de um amplo movimento, dirigido por cidadãos independentes, que poderão e deverão contar com o apoio de militantes do mais amplo leque partidário, na promoção de um candidato verdadeiro árbitro dos interesses em presença, contrastantes e até conflituosos, e que, ao mesmo tempo seja um impulsionador do Re-Nascer de Portugal e da Europa.
A 5 anos de distância das próximas eleições, no deserto das alternativas, deixo este grito que, obviamente, corre o risco de não ser ouvido, e, daqui a 5 anos, tudo voltará a ser igual ao que é, já lá vão 30 e tal anos. Porquê?

Como seria importante que pela sua cabeça cada um procurasse dar uma resposta a esta questão, e depois levassem as suas dúvidas para os partidos. Se um médico fizer um bom diagnóstico, mas não mudar a terapêutica ineficaz o DOENTE MORRE, e se o fizer repetidas vezes nunca mais ninguém o quer à sua cabeceira, logo….
Ainda nestas análises e definição de estratégias seria importante nunca esquecer que sociologicamente o país é maioritariamente conservador e que a Igreja Católica tem uma influência importante nestas eleições, e, ainda que as maiorias politicas de esquerda que se têm obtido, terão muito mais a ver com os aspectos económicos, punição das más politicas económicas de direita, do que com uma evolução em termos de posicionamento ideológico ou politico para a esquerda. Fica de fora deste alinhamento, a vitória do referendo sobre a interrupção voluntária da gravidez, mas nesta vitória deve ter pesado muito o conhecimento real da tragédia e drama dos abortos clandestinos.


Portugal é preciso RE-NASCER.
            andrade da silva

7 comentários:

Marília Gonçalves disse...

Caro Companheiro, Amigos, Leitores

deixemos passar a 1° volta das eleições
porque será uma maneira de vermos se o Povo de Portugal percebeu a camisa de sete varas em que está metido
depois o caso muda de figura
que alianças se farão ou não, não faço disso a menor ideia,nem poderia fazer...
agora o que é evidente é que quando falei de candidato surgido das dobras da Sombra nunca me poderia estar a referir ao Resistente combativo e Lutador que foi o Poeta imenso que é Manuel Alegre, cujo passado responde por ele, embora ultimamente em dados momentos tenhamos apelado directamente ao seu coração sem obter resposta...
penso que talvez por lealdade a sentimentos de amizade se sentisse manietado... mas é verdade que tenho uma tendência natural para ler os actos de para mais de tal Poeta,com o coração.
a seu tempo se verá
em todo o caso o que importa é reerguer Abril, Portugal e devolver vida e alegria ao Povo
abraço e que a época em que estamos seja o mais suave e doce possível
com um ANO NOVO cheio de Esperança Activa
convosco sempre
Marília Gonçalves

Marília Gonçalves disse...

Estou enviando artigo de final de ano: um balanço sombrio do sofrimento humano causado pela atual crise.
Esperançoso 2011.
Lboff

Leonardo Boff
Teólogo
Crise neoliberal e sofrimento humano

O balanço que faço de 2010 vai ser diferente. Enfatizo um dado pouco referido nas análises: o imenso sofrimento humano, a desestruturação subjetiva especialmente dos assalariados, devido à reorganização econômico-financeira mundial.

Há muito que se operou a “grande transformação”(Polaniy), colocando a economia como o eixo articulador de toda a vida social, subordinando a política e anulando a ética. Quando a economia entra em crise, como sucede atualmente, tudo é sacrificado para salvá-la. Penalisa-se toda a sociedade como na Grécia, na Irlanda, em Portugal, na Espanha e mesmo dos USA em nome do saneamento da economia. O que deveria ser meio, transforma-se num fim em si mesmo.

Colocado em situação de crise, o sistema neoliberal tende a radicalizar sua lógica e a explorar mais ainda a força de trabalho. Ao invés de mudar de rumo, faz mais do mesmo, colocando pesada cruz sobre as costas dos trabalhadores. Não se trata daquilo relativamente já estudado do “assédio moral”, vale dizer, das humilhações persistentes e prolongadas de trabalhadores e trabalhadoras para subordiná-los, amedrontá-los e, por fim, levá-los a deixar o trabalho. O sofrimento agora é mais generalizado e difuso afetando, ora mais ora menos, o conjunto dos países centrais. Trata-se de uma espécie de “mal-estar da globalização” em processo de erosão humanística.

(continua a seguir)

Marília Gonçalves disse...

Ele se expressa por grave depressão coletiva, destruição do horizonte da esperança, perda da alegria de viver, vontade de sumir do mapa e até, em muitos, de tirar a própria vida. Por causa da crise, as empresas e seus gestores levam a competitividade até a um limite extremo, estipulam metas quase inalcançáveis, infundindo nos trabalhadores, angústias, medo e, não raro, síndrome de pânico. Cobra-se tudo deles: entrega incondicional e plena disponibilidade, dilacerando sua subjetividade e destruindo as relações familiares. Estima-se que no Brasil cerca de 15 milhões de pessoas sofram este tipo de depressão, ligada às sobrecargas do trabalho.

A pesquisadora Margarida Barreto, médica especialista em saúde do trabalho, observou que no ano passado, numa pequisa ouvindo 400 pessoas, que cerca de um quarto delas teve idéias suicidas por causa da excessiva cobrança no trabalho. Continua ela: “é preciso ver a tentativa de tirar a própria vida como uma grande denúncia às condições de trabalho impostas pelo neoliberalismo nas últimas décadas”. Especialmente são afetados os bancários do setor financeiro, altamente especulativo e orientado para a maximalização dos lucros. Uma pesquisa de 2009 feita pelo professor Marcelo Augusto Finazzi Santos, da Universidade de Brasília, apurou que entre 1996 a 2005, a cada 20 dias, um bancário se suicidava, por causa das pressões por metas, excesso de tarefas e pavor do desemprego. Os gestores atuais mostram-se insensíveis ao sofrimento de seus funcionários, acrescentando-lhes ainda mais sofrimento.

A Organização Mundial de Saúde estima que cerca de três mil pessoas se suicidam diariamente, muitas delas por causa da abusiva pressão do trabalho. O Le Monde Diplomatique de novembro do corrente ano, denunciou que entre os motivos das greves de outubro na França, se achava também o protesto contra o acelerado ritmo de trabalho imposto pelas fábricas causando nervosismo, irritabilidade e ansiedade. Relançou-se a frase de 1968 que rezava:”metrô, trabalho, cama”, atualizando-a agora como “metrô, trabalho, túmulo”. Quer dizer, doenças letais ou o suicídio como efeito da superexploração capitalista.

Nas análises que se fazem da atual crise, importa incorporar este dado perverso que é o oceano de sofrimento que está sendo imposto à população, sobretudo, aos pobres, no propósito de salvar o sistema econômico, controlado por poucas forças, extremamente fortes, mas desumanas e sem piedade. Uma razão a mais para superá-lo historicamente, além de condená-lo moralmente. Nessa direção caminha a consciência ética da humanidade, bem representada nas várias realizações do Forum Social Mundial entre outras.

Leonardo Boff é autor de Proteger a Terra-Cuidar da vida:como evitar o fim do mundo, Record 2010.

andrade da silva disse...

Cara Marilia

Sem qualquer dúvida o apelo nesta 1ª Volta das presidenciais é que ninguém de Abril deixe de votar, nem vote nulo ou branco, porque estes votos nesta eleição contam como abstenção, e para votar a gente do 25 de Abril tem um grande número de opções. Deste ponto de vista, a gente de Abril fez um grande esforço, contrariamente, às forças de direita que não apresentaram mais que uma solução, o que se penalizar quem tão pouco respeita a divergência de largos milhares de portugueses seria um bem.

Marília

Em tudo há probabilidades falíveis, mas existem e sobre isto por ora, quanto a estas eleições, ponto, fica só o repto para que se procure alterar as probabilidades para as próximas eleições.

A realidade sociológica, como dizia Durkheim pode ser cientificamente estudada, e que as regularidades dos factos sociais estabelecem leis, e ainda que os comportamentos alteram-se, quando as contingências se modificam, estas têm-se alterado muito, é preciso o intérprete Nacional dessas mudanças.
A realidade social e o pensamento não se alteram rapidamente, consequentemente, as eleições presidenciais têm de ser tratadas a médio prazo com uma estratégia muito claro, porque enquanto nas legislativas há uma grande pregnância, percepciona-se o que está em causa, ou seja, a possibilidade de uma boa ou má governação nas presidenciais o significado politico é mais complexo e os factores pessoais que mais imediatamente o povo eleitor capta são determinantes, e há uma particularidade de muito peso, a convicção que será alguém que será independente (?) dos partidos, e por aí fora, como todos sabem, logo...
abraço
asilva

Ps:
Não faço profecias, mas tenho memória dos registos ( basta consultá-los) que tenho feito, incluindo os de Setembro 2009 em referência às eleições legislativas, quando se previa um empate técnico entre o PS e o PSD, como o dizia o Sr. jornalista Luís Delgado ( oráculo da direita), previ a derrota estrondosa do PSD, a vitória magra do PS, um crescimento muito aquém dos 12% que se previa para o BE, e uma ascensão significativa para o CDS, e lá estão algumas razões, quando se lhe dava 4% e a fidelização dos votos no PCP, sem grandes oscilações, apesar da conjuntura. Entre muitas outras estas previsões verificaram-se, sem nenhum bruxedo, claro...
Julgo também que as coisas ficaram melhor com a sua clarificação acerca de Manuel Alegre, até porque todos os candidatos que querem derrotar Cavaco da Silva, estão todos, todos, a lutarem para que haja uma 2º volta, o que é considerado por algumas candidaturas como o objectivo, o que parece razoável, a não ser que surja algo de muito extraordinário na campanha, contra o actual presidente, o que sendo possível pode não mexer tanto com amplos sectores da população.
É também preciso dizer que o actual Presidente não fez nada de extraordinário para ter garantida a eleição à primeira volta, pelo contrário, tem défices que o poderiam e deveriam derrotar, mas….

Marília Gonçalves disse...

Mais uma Prenda de Natal



Presidente dos CTT recebia dois ordenados



23-Dez-2010

O Presidente do Conselho de Administração dos CTT, Estanislau Mata da Costa - que se demitiu no final do mês passado, sem ter terminado o mandato - recebeu, durante cerca de dois anos, dois vencimentos em simultâneo: um pelo cargo nesta empresa, de cerca de 15 mil euros, e outro correspondente às suas anteriores funções na PT, de 23 mil euros. E isto apesar de ter suspendido o vínculo laboral com a PT.


A descoberta foi feita pela Inspecção-Geral de Finanças (IGF), na sequência de uma auditoria realizada após denúncias da comissão de trabalhadores dos CTT sobre actos de alegada má gestão na empresa. Segundo soube o SOL, o Conselho de Administração da empresa terá recebido o relatório preliminar desta auditoria no dia 29. A demissão de Mata da Costa foi anunciada no dia seguinte e justificada pelo próprio com «razões exclusivamente do foro pessoal e familiar».

A IGF classifica esta acumulação de vencimentos por parte de Mata da Costa - num valor mensal de cerca de 40 mil euros (ao todo, um milhão e 575,6 mil euros recebidos entre Junho de 2005 e Agosto de 2007) - como «eticamente reprovável, ainda que possível do ponto de vista legal». Ainda assim, a IGF decidiu encaminhar o caso para a Procuradoria-Geral da República, por ter «dúvidas quanto à legalidade» da situação.

Segundo o relatório preliminar da IGF, a que o SOL teve acesso, Mata da Costa, que era quadro da PT, foi nomeado para presidir aos CTT em Junho de 2005. Mas, em vez de se desligar desta empresa, fez um acordo de «suspensão do contrato de trabalho, embora estranhamente sem perda de remuneração



É de todo em todo, de bom tom, que os Portugueses saibam que prendas de Natal recebem!

Favor dar conhecimento aos Portugueses porque os media andam distraídos(?)

Pierrot le Fou disse...

Saúde e muitos anos de prisão para este senhor, assim como para Dias Loureiro e muitos outros criminosos que violaram e continuam a violar os direitos dos cidadãos da República, é o meu desejo para o ano de 2011.

Marília Gonçalves disse...

Démosle una oportunidad a la paz


A las y los poetas que también son personas de palabra, organización y acción;
a las maestras y maestros en la tarea de alumbrar futuros;
a las y los periodistas que no callan verdades;
a las trabajadoras y trabajadores de la cultura, aquellos que hacen florecer los sueños,
a quienes desde la promoción y la creación hacen la diferencia,
a las miles de personas que luchan por la paz y la justicia social.

gabriel impaglione