quarta-feira, 17 de dezembro de 2008


Ser livre amigo meu
Ser livre apenas
Ter voz saber dizer
O que anda a volitar em nós
E nos ensina a ser
Ser livre amigo meu
Escrever poemas
Ir longe além do dia
E desfraldar as penas
Em mares de poesia.



Ser livre amigo meu
Mas ser deveras
não calar o todo que nós somos
Inventar primaveras
Erguidas dos escombros
Ser livre amigo meu
Ser de verdade
Aquela luz que fomos na infância
Ser livre sem fronteiras e sem peias
Ser livre e vencer nossos assombros
No dardo das colmeias
Ser livre amigo meu
Com tanta força
Que o tempo se esgarce na vontade
Da doçura da corça sorvendo Liberdade




Marília Gonçalves

PS: Querida companheira muito desejamos que a tua saúde te permita continuar a ser a grande e querida mulher livre, mulher de Abril, que a todos nos transmite uma palavra de muita força e esperança.

1 comentário:

Marilia Gonçalves disse...

COMPANHEIROS CAMARADA AMIGOS

o que vou dizer é breve mas precisa ser dito!
quanta ternura nos nossos corações em luta pelo Direito Humano, e esses vampiros, da alegria, da tranquilidade, da Dignidade da VIDA
com todos os seus direitos, contra os quais nos batemos, roubam-nos até o direito de sermos esta ternura que somos, com tempo paraz a partilhar. Mais UMA VEZ ESPOLIADOS E POR DENTRO DO QUE TEMOS DE TAO IMPORTANTE: o AFECTO!

abraço amigo

Marília